maryland

Tiroteio em escola dos EUA deixa dois feridos e atirador morto

O incidente desta terça (20) acontece cinco semanas depois que um jovem de 19 anos invadir um colégio na Flórida e matar 17 pessoas

12:58 · 20.03.2018 / atualizado às 13:09 por AFP
Tiroteio em escola dos EUA deixa dois feridos e atirador morto
Automóveis da polícia ocuparam todos os acessos do complexo educacional, que tem 1.600 alunos, com idades entre 14 e 18 anos ( Foto: Mark Wilson / AFP )

O tiroteio registrado na manhã desta terça-feira (20) em um colégio do Ensino Médio em Maryland, a pouco mais de uma hora de Washington, deixou duas pessoas feridas, enquanto o atirador faleceu.

Segundo o xerife do condado de St. Mary, Tim Cameron, três feridos, entre eles o próprio atirador, foram levados em estado grave para um hospital da região.

Pouco depois, o xerife informou a morte do agressor, que não resistiu aos ferimentos.

"Um único atirador abriu fogo contra uma mulher logo no início das aulas esta manhã", informou Tim Cameron, indicando que o agressor confrontou logo em seguida um agente de segurança da escola.

Cameron disse que a estudante atacada se encontrava em estado crítico. O outro ferido "está em estado crítico, mas estável".

Desde o início do incidente, o colégio foi colocado em confinamento, um exercício comum treinado em todas as escolas dos Estados Unidos, onde os tiroteios são comuns.

Imagens aéreas exibidas por emissoras de televisão mostraram vários automóveis da polícia em todos os acessos do complexo educacional, que tem 1.600 alunos, com idades entre 14 e 18 anos.

Os alunos foram levados de ônibus para um outro estabelecimento escolar para serem recuperados pelos pais.

Um estudante do colégio, identificado como Jonathan Freese, disse por telefone à CNN que "tudo aconteceu muito rápido, pouco depois do início das aulas".

"A polícia chegou e respondeu rapidamente. Muitos agentes chegaram, e a polícia está percorrendo as salas de aula", completou.

Agentes da Divisão de Álcool, Tabaco, Armas de Fogo e Explosivos (ATF, na sigla em inglês) foram mobilizados para ajudar na investigação.

O incidente desta terça-feira acontece cinco semanas depois que um jovem de 19 anos, armado com um rifle semiautomático, invadiu um colégio de Parkland, na Flórida. A ação provocou as mortes de 14 estudantes e três adultos.

Este massacre provocou uma grande onda de indignação nos Estados Unidos contra as leis que permitem o acesso facilitado a armas de grande calibre.

Estudantes de todo país pretendem organizar uma manifestação em 24 de março para exigir a aprovação de medidas mais rígidas para a compra de armas.

"Estamos aqui por vocês, alunos de Great Mills. Juntos nós podemos impedir que isso se repita", tuitou Emma Gonzalez, uma das sobreviventes do tiroteio de Parkland e porta-voz do movimento para limitar o acesso às armas de fogo.

O tiroteio no colégio Marjory Stoneman Douglas de Parkland foi o pior em um estabelecimento escolar nos Estados Unidos desde o massacre de Sandy Hook, que deixou 26 mortos no final de 2012.

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.