trèbes

Tiroteio e tomada de reféns em supermercado no sul da França

O autor dos disparos seria membro do grupo Estado Islâmico; pelo menos uma pessoa morreu no ataque

As autoridades locais anunciaram que a área estava isolada e pediram à população que "facilite o acesso às forças de segurança" ( Foto: Eric Cabanis / AFP )
09:17 · 23.03.2018 / atualizado às 09:27 por AFP

Um homem que disse atuar em nome do grupo extremista Estado Islâmico (EI) abriu fogo e tomou várias pessoas como reféns nesta sexta-feira (23) em um supermercado de Trèbes, perto de Carcassonne, sul da França.

Ao menos uma pessoa teria falecido no ataque, segundo o general Jean-Valéry Letterman, mas até o momento as forças de segurança não conseguiram enviar um médico para verificar a situação.

A justiça antiterrorista assumiu a investigação do ataque, que o primeiro-ministro francês Edouard Philippe classificou como "sério".

As forças de segurança responderam a dois incidentes separados na manhã desta sexta-feira, um no supermercado de Trèbes e o segundo na cidade vizinha de Carcassonne, onde um policial foi ferido a tiros.

As autoridades não explicaram se os dois incidentes estavam relacionados.

Em Trèbes, um homem entrou às 11h15 (7h15 de Brasília) em um supermercado da rede SuperU e foram ouvidos tiros. 

Uma testemunha disse que o homem gritou "Alá Akbar" ao entrar no estabelecimento, segundo uma fonte das forças de segurança.

O criminoso afirmou que pertence ao grupo Estado Islâmico (EI), segundo fontes judiciais.

As autoridades locais anunciaram no Twitter que a área estava isolada e pediram à população que "facilite o acesso às forças de segurança".

Se o vínculo com o EI for confirmado, este ataque seria o primeiro desta dimensão desde a eleição do presidente Emmanuel Macron em maio do ano passado.

A tomada de reféns acontece com a França ainda em estado de alerta, após a série de atentados desde o ataque contra a redação da revista satírica Charlie Hebdo em janeiro de 2015, que deixou 12 mortos.

A onda de atentados extremistas deixou 238 mortos e centenas de feridos em 2015 e 2016. Vários ataques ou tentativas de ataques apontaram contra militares ou policiais.

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.