Violência

Tiroteio deixa um morto e três feridos durante plebiscito na Venezuela

Antes da hora de início, dezenas de pessoas faziam fila em bairros de Caracas

17:55 · 16.07.2017 / atualizado às 18:03 por AFP
Foto_AFP_
O CNE fará no domingo um simulacro da votação da Constituinte ( Foto: AFP )

Uma mulher morreu, e outras três pessoas ficaram feridas, neste domingo (16), quando homens de motos atiraram em opositores que votavam no oeste de Caracas. Na região ocorre um plebiscito simbólico contra a Assembleia Constituinte convocada pelo presidente Nicolás Maduro - informou o Ministério Público.

"Está-se investigando a morte de Xiomara Escot e três feridos, fato ocorrido durante situação irregular" no populoso bairro de Catia, anunciou um boletim do MP. As urnas para o plebiscito simbólico organizado pela oposição venezuelana contra o presidente Nicolás Maduro abriram neste domingo às 07h, equivalente a 8h00 em Brasília.

Antes da hora de início, dezenas de pessoas faziam fila em bairros de Caracas como Chacaito e Los Palos Grandes, onde foram instaladas tendas e mesas com os seus respectivos delegados e voluntários, muitos vestidos de branco, de acordo com jornalistas da AFP. O evento, para o qual foram instaladas 14.300 mesas de votação em todo o país, vai durar até 20h.

Com esta consulta, que não é vinculativa em razão da ausência de aval do Conselho Nacional Eleitoral (CNE), a oposição procura expressar sua rejeição a Maduro e a uma Assembleia Constituinte convocada pelo presidente.

Líderes da oposição esperam a participação de 11 milhões de pessoas e, desta forma, aumentar a pressão para derrubar Maduro, cujo mandato vai até janeiro de 2019. Marcará um antes e um depois na luta para recuperar a democracia na Venezuela", declarou Julio Borges, chefe do Parlamento, de maioria opositora. Maduro considera o plebiscito ilegal, defendendo que apenas o Conselho Nacional Eleitoral (CNE) pode realizar processos desse tipo.

Medidas

Em paralelo, o CNE fará no domingo um simulacro da votação da Constituinte. Seus 545 membros serão eleitos em 30 de julho. A oposição considera a consulta uma "provocação". De acordo com uma pesquisa, 70% dos venezuelanos rejeita a Assembleia Constituinte. Mas, numa atitude mais serena em comparação à adotada nos últimos dias, Maduro pediu no sábado que os venezuelanos participassem de ambos os eventos "pacificamente, com respeito às ideias dos outros, sem qualquer incidente".

"A paz é o que eu peço", disse o líder socialista. O plebiscito é realizado em meio a uma onda de protestos em repúdio ao governo que completou três meses e meio neste sábado. O saldo dessa escalada da violência é 95 mortos.

As manifestações exigem a saída de Maduro do poder e renegam a Constituinte, "única via" - segundo o presidente - para restabelecer a paz e reativar a economia do país. Maduro se diz vítima de uma tentativa de golpe de Estado apoiado por Washington e de uma guerra econômica que leva à escassez de bens básicos e a uma voraz inflação

Cinco ex-presidentes da região chegaram no sábado para participar, junto com especialistas eleitorais de vários países, como observadores do processo organizado pela oposição. São eles: o colombiano Andrés Pastrana, o boliviano Jorge Quiroga, o mexicano Vicente Fox e os costa-riquenhos Miguel Ángel Rodríguez e Laura Chinchilla.

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.