eua

Tenho 'direito absoluto' de conceder perdão presidencial a mim mesmo, diz Trump

O presidente norte-americano é investigado no caso sobre interferência da Rússia nas eleições de 2016

Donald Trump pode ser implicado em práticas irregulares, como a de obstrução de justiça ( Foto: Nicholas Kamm / AFP )
12:41 · 04.06.2018 / atualizado às 12:50 por Estadão Conteúdo

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, afirmou nesta segunda-feira (4) possuir o "direito absoluto" de conceder um perdão presidencial a si mesmo na hipótese de a investigação do conselheiro especial Robert Mueller implicá-lo em práticas irregulares, como a de obstrução de justiça, no caso sobre interferência da Rússia nas eleições americanas de 2016.

"Assim como foi constatado por numerosos acadêmicos da área legal, eu tenho o direito absoluto de PERDOAR a mim mesmo, mas por que eu faria isso se eu não fiz nada de errado? Enquanto isso, a Caça às Bruxas sem fim, liderada por 13 Democratas muito Raivosos e Conflituosos (& outros), continua eleições legislativas adentro!", escreveu Trump em sua conta no Twitter, referindo-se à apuração conduzida por Mueller.

No domingo, Rudy Giuliani, um dos advogados pessoais de Trump, disse que o presidente poderia legalmente conceder um perdão a si mesmo. "Não há nada que limite o poder presidencial de perdão por um crime federal", ele alegou, acrescentando, contudo, que esse cenário seria "impensável" e "levaria a provavelmente um impeachment imediato".

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.