Infarto

Ríos Montt, ex-ditador da Guatemala, morre aos 91 anos

Ele esteve no poder em 1982 e 1983, chegando a ser condenado por genocídio de indígenas

15:28 · 01.04.2018 por AFP
Efraín Ríos Montt
Ríos Montt morreu em sua residência em decorrência de um infarto ( Foto: AFP )

O ex-ditador guatemalteco José Efraín Ríos Montt, que governou com 'mão de ferro' entre 1982 e 1983 e que foi acusado de genocídio de indígenas, morreu neste domingo (01) aos 91 anos, informaram fontes próximas à família.

Ríos Montt faleceu em sua residência em decorrência de um infarto, confirmou a jornalistas um dos advogados que defendeu o ex-ditador durante o julgamento por genocídio, Jaime Hernández. Em 2015, o ex-ditador havia sido diganosticado com demência senil. Ele também tinha problemas pulmonares e respiratórios.

Acusação

Em 1982 e 1983, o exército guatemalteco promoveu 15 massacres contra 1.171 indígenas maias-ixiles no departamento de Quiché, no norte do país. Em 2013, José Efraín Ríos Montt foi considerado culpado em um julgamento histórico, tornando-se o primeiro líder latino-americano e um dos poucos do mundo a ser condenado por esse crime.

A pena foi de 50 anos de prisão por genocídio e mais 30 anos por outros crimes contra a humanidade. Porém, dez dias depois, a Corte Constitucional da Guatemala anulou a sentença.

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.