Acusação

Reino Unido diz ter evidências de que Rússia desenvolveu agentes nervosos

O secretário de Relações Exteriores do Reino Unido afirmou que o país passou a última década desenvolvendo os agentes secretamente; embaixador da Rússia na União Europeia nega

17:31 · 18.03.2018 por Estadão Conteúdo
1
No começo do mês de março, o ex-espião russo Sergei Skripal e a filha dele, Yulia, foram encontrados inconscientes na Inglaterra, as suspeitas são de envenenamento. Os dois seguem em estado grave ( Foto: Adrian Dennis / AFP )

O secretário de Relações Exteriores do Reino Unido, Boris Johnson, disse neste domingo que o país tem evidências de que a Rússia passou a ultima década desenvolvendo agentes nervosos secretamente para usar em assassinatos. De acordo com ele, isso seria uma violação a tratados internacionais que proíbem armas químicas.

"Temos provas de que a Rússia está investigando a entrega de agentes nervosos e criou e armazenou Novichok", disse Johnson em entrevista à BBC, referindo-se ao veneno que as autoridades britânicas dizem que foi usado na tentativa de assassinato do ex-espião russo Sergei Skripal.

A declaração de Johnson marca a mais recente escalada em uma crise diplomática entre Londres e Moscou. Skripal e sua filha, Yulia, ficaram gravemente doentes depois de serem encontrados caídos no banco de um parque na cidade inglesa de Salisbury no início deste mês. Os Estados Unidos, a França e a Alemanha se juntaram ao Reino Unido para culpar Moscou pelo ataque, que também deixou um policial ferido.

Em um comunicado, o Ministério das Relações Exteriores do Reino Unido disse que suas informações indicam que a Rússia produziu e armazenou a Novichok "na última década" como parte de um programa para desenvolver maneiras de usar agentes nervosos em assassinatos, em violação à Convenção sobre Armas Químicas". Ele não elaborou sobre a natureza ou origem das investigações. A Rússia nega estar por trás da tentativa de assassinato de Skripal.

O embaixador da Rússia na União Europeia, Vladimir Chizhov, disse neste domingo que a Rússia não teve nada a ver com os eventos em Salisbury. Em entrevista à BBC, Chizhov comentou que Moscou nunca produziu a Novichok e parou de produzir armas químicas em 1992. Ele afirmou, ainda, que a única maneira pela qual as autoridades britânicas poderiam ter identificado o agente nervoso usado no envenenamento tão rapidamente seria se tivessem amostras próprias

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.