sem exceções

Papa muda doutrina e pena de morte passa a ser inadmissível

Desde o papa João Paulo II, morto em 2005, a Igreja Católica já vinha restringindo o apoio a prática e Francisco já tinha condenado seu uso publicamente

09:21 · 02.08.2018 / atualizado às 09:30 por FolhaPress
Papa muda doutrina e pena de morte passa a ser inadmissível
O papa Francisco ordenou que a mudança seja incluída no Catecismo da Igreja Católica, a compilação oficial da doutrina da religião ( Foto: Andreas Solaro / AFP )

Por ordem do papa Francisco, a Igreja Católica alterou sua doutrina sobre a pena de morte, que passa a ser considerada inadmissível em todos os casos, anunciou o Vaticano nesta quinta-feira (2). 

A mudança foi incluída no Catecismo da Igreja Católica, a compilação oficial da doutrina da religião. 

"A Igreja ensina, à luz do Evangelho, que a pena de morte é inadmissível, porque atenta contra a inviolabilidade e a dignidade da pessoa, e se compromete com determinação por sua abolição em todo o mundo", afirmou o pontífice em uma audiência concedida ao prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé, órgão responsável pela defesa das tradições católicas. 

Antes disso, a Igreja já era critica da pena de morte, mas autorizava seu uso em algumas circunstâncias, quando "era o único jeito possível de defender efetivamente a vida humana conta agressões injustas", dizia a doutrina. 

Mas desde o papa João Paulo II, morto em 2005, a Igreja já vinha restringindo o apoio a prática e Francisco já tinha condenado seu uso publicamente.

Segundo o novo comunicado, a antiga regra já não funcionava mais porque há novas formas de proteger a sociedade. "Há um entendimento cada vez maior de que a dignidade da pessoa não está perdida mesmo após a prática de crimes muito sérios", diz o texto. 

"Além disso, surgiu um novo entendimento sobre o significado das sanções penais impostas pelo Estado. Por último, foram desenvolvidos sistemas de detenção mais eficazes, que asseguram a devida proteção aos cidadãos, mas ao mesmo tempo, não privam definitivamente os culpados da possibilidade de resgate".

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.