DESTAQUE

Mulher é nomeada chefe da Polícia do Canadá pela 1ª vez

Brenda Lucki, além de suas funções, também terá papel na reconciliação dos povos autóctones e na promoção da igualdade de gênero

19:48 · 09.03.2018 por AFP
brenda lucki
A nomeação é feita em um momento em que a Polícia Federal conta com uma baixa representação das mulheres ( FOTO: HO / RCMP/GRC / AFP )

O primeiro-ministro do Canadá, Justin Trudeau, nomeou nesta sexta-feira (9) uma mulher como chefe da Polícia Federal, feito que ocorre pela primeira vez na história da instituição.

Brenda Lucki, até agora a cargo da formação de novos recrutas, foi nomeada delegada da Real Polícia Montada do Canadá, em substituição a Bob Paulson.

Outra mulher exerceu como chefe interina desta força de segurança, entre dezembro de 2006 e junho de 2007, mas Lucki é a primeira a ser nomeada ao cargo de modo permanente.

"Quando for assumir seu posto em abril, será a 24ª delegada da história da Real Polícia Montada do Canadá e a primeira mulher a servir como comissária em um papel permanente", disse o primeiro-ministro.

Lucki, além de suas funções, "também terá um papel maior na reconciliação dos povos autóctones e na promoção da igualdade de gênero", destacou o primeiro-ministro durante uma cerimônia em Regina (Saskatchewan, oeste).

"Acredito que, juntos, alcançaremos nosso objetivo à frente e avançaremos na modernização da nossa organização", declarou Lucki.

Desde de que se uniu à Real Polícia Montada aos 20 anos, em 1986, Lucki ocupou cargos em diferentes locais do Canadá, assim na ex-Iugoslávia com a ONU e na formação de policiais desta organização no Haiti.

A nomeação é feita em um momento em que a Polícia Federal conta com uma baixa representação das mulheres - segundo cifras da instituição, 22% de seus oficiais - e no início de 2017 enfrentou denúncias por casos de assédio sexual e descriminação às mulheres.

Após uma sentença da Justiça, cerca de 25 mil mulheres que trabalharam na Polícia Federal desde 1974, quando este corpo começou a contratar mulheres, foram beneficiárias de indenizações que podiam chegar a até 170 mil dólares em função do preconceito sofrido.

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.