defesa

Maduro, Morales, Zelaya e Cristina declaram apoio a Lula

As manifestações ocorreram antes da prisão do petista ser decretada pelo juiz Sérgio Moro

10:48 · 06.04.2018 / atualizado às 11:02 por Estadão Conteúdo
Maduro, Morales, Zelaya e Cristina declaram apoio a Lula
A ex-presidente argentina Cristina Kirchner disse que "as elites nunca se interessaram" por justiça ou democracia ( Foto: Ricardo Stuckert / Divulgação )

Líderes políticos e chefes de Estado da América do Sul declaram apoio ao ex-presidente da República Lula, que tem prazo até as 17 horas desta sexta-feira (6) para se entregar à Polícia Federal de Curitiba, para iniciar o cumprimento da pena de 12 anos e um mês de reclusão pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro no processo do caso triplex do Guarujá.

As manifestações ocorreram antes da prisão de Lula ser decretada pelo juiz Sérgio Moro, da Operação Lava-Jato. O presidente venezuelano, Nicolás Maduro, afirmou que "o mundo inteiro" abraça Lula e que a "injustiça dói na alma". "A direita, diante da incapacidade de ganhar democraticamente, elegeu o caminho judicial para amedrontar as forças populares", disse Maduro.

LEIA AINDA

> Lula decide não ir para Curitiba
> Lula passa a madrugada na sede do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC
> Defesa de Lula entra com pedido de habeas corpus no STJ para tentar evitar prisão
 
Evo Morales, presidente da Bolívia, declarou que as oligarquias não se interessam "nem pela democracia e nem pela justiça", além de cravar que Lula foi condenado para "impedir que volte a ser presidente do Brasil". "A direita jamais o perdoará por ter tirado 30 milhões de pobres da miséria", disse o chefe de Estado.

Manuel Zelaya, ex-presidente de Honduras que foi deposto em 2009 e se refugiou na embaixada do Brasil, disse que Lula é inocente. Zelaya afirma que "seu único pecado foi enfrentar os Estados Unidos" e "não obedecer aos conservadores que governam o Brasil".

Cristina Kirchner, ex-presidente da Argentina, disse que "as elites nunca se interessaram" por justiça ou democracia, além de utilizar o "aparato judicial" em interesse próprio.

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.