FIFA

Inocentado, Platini diz que voltará ao futebol: 'Chegou ao fim o pesadelo'

Na sexta-feira (25), o Ministério Público Suíço disse não haver provas que incriminem Platini; Apesar de ser declarado inocente, a Fifa não retirou a punição de quatro anos ao dirigente

13:19 · 26.05.2018 por Estadão Conteudo
Platini
Foto tirada em 27 de abril de 2018, o ex-jogador de futebol francês Michel Platini, na França. ( Foto: BORIS HORVAT / AFP )

Ex-presidente da Uefa e ex-vice-presidente da Fifa, o francês Michel Platini disse neste sábado (26) que pretende voltar ao futebol. A declaração foi dada no dia seguinte em que a Justiça da Suíça inocentou o dirigente no escândalo político de corrupção no futebol internacional.

Platini era suspeito de ter recebido US$ 2 milhões (cerca de R$ 7,2 milhões) da Fifa sem motivos aparentes. Por conta das revelações de pagamentos, a Fifa o suspendeu do futebol, pena que acabou sendo confirmada pela Corte Arbitral do Esporte (CAS, na sigla em inglês). 

Por meio de comunicado, ele informou que "chegou ao fim o período de um longo pesadelo para minha família e aqueles que estão próximos a mim". Apesar de ser declarado inocente, a Fifa não retirou a punição de quatro anos ao dirigente e que tem previsão para se encerrar em 2019. 

"Eu vou voltar. Onde, quando e como? É muito cedo para dizer. Mas vou voltar para o futebol", informou. "O futebol é minha vida e não dou a ninguém o direito de me privar da minha vida", declarou Platini que foi um dos principais jogadores da história do futebol francês.

Na sexta-feira, o Ministério Público Suíço disse não haver provas que incriminem Platini. O processo em que ele era acusado se referia a um pagamento feito por Joseph Blatter, então presidente da Fifa, em 2011 ao francês. 

Oficialmente, a transferência se referia a uma remuneração que Platini teria de ter sido beneficiado por seus trabalhos de conselheiro da Fifa entre 1998 e 2002. Blatter, por sua vez, foi suspenso por oito anos do futebol e continua sendo investigado pelo MP. 

Para a imprensa francesa, a informação do arquivamento do caso é uma "prova" de que havia um "complô" para impedir que Platini se transformasse no presidente da Fifa nas eleições em 2015, convocadas por Blatter depois do escândalo de corrupção.

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.