venezuela

Grupo desconhecido se responsabiliza por ataque a Maduro e o chama de 'Operação Fênix'

Segundo o grupo, o objetivo era que dois drones carregados com explosivos chegassem ao palco onde o líder venezuelano discursava, mas a operação foi frustrada por oficiais de segurança

Nicolás Maduro fazia um discurso pelos 81 anos da Guarda Nacional, em Caracas, quando sofreu o suposto ataque ( Foto: HO / VTV / AFP )
18:01 · 05.08.2018 / atualizado às 18:11 por FolhaPress

Um grupo desconhecido autointitulado "Movimento Nacional de Soldados de Camiseta" assumiu responsabilidade pela autoria do suposto atentado contra o ditador da Venezuela, Nicolás Maduro, chamando o incidente de "Operação Fênix".

Em uma conta nas redes sociais, o grupo divulgou fotos e vídeos do momento do incidente, quando Maduro fazia discurso pelos 81 anos da Guarda Nacional, em Caracas, neste sábado (4).

> Governo dos EUA nega envolvimento em suposto ataque na Venezuela

"Assim nós zombamos de uma ditadura boa para matar o povo de fome mas covarde quando chega a hora", escreveu o grupo junto a um vídeo dos soldados em fuga no momento de uma explosão.

"A operação era sobrevoar dois drones carregados com [explosivo] C4 com direção ao palco presidencial. Francoatiradores da guarda de honra derrubaram os drones antes de chegarem ao alvo. Demonstramos que são vulneráveis. Não conseguimos, mas é questão de tempo", disse uma das mensagens do grupo.

Eles se dizem um conjunto de "militares e civis patriotas e leais ao povo da Venezuela, baseados em argumentos leais e constitucionais", e afirmam tem respaldo de "oficiais, suboficiais, classes e soldados" que estariam "dispostos a oferecer suas vidas".

"Não foi desta vez, mas continuamos nossa luta, porque a Força Armada Nacional Bolivariana tem por função garantir a independência, a soberania da nação, a integridade do território e a ordem pública interna", diz a nota.

Eles acusam o governo Maduro de "desconhecer o conteúdo da Constituição", motivo pelo qual o grupo "decidiu empreender uma luta para restabelecer sua efetiva vigência". "É contrário à honra militar manter no governo quem fez da função pública uma maneira obscena de se enriquecer e se aviltar.

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.