Na Argentina

Ex-vice-presidente argentino é solto, mas segue investigado por corrupção

Amado Boudou estava preso desde o início de novembro sob acusação de lavagem de dinheiro e associação ilícita

17:50 · 13.01.2018 / atualizado às 17:58 por Estadão Conteúdo
Amado
O ex-vice presidente foi um dos oficiais do governo de Cristina Kirchner que foram presos acusados de corrupção ( Foto: Reprodução / Facebook )

Um tribunal argentino libertou o ex-vice-presidente Amado Boudou da prisão onde era mantido desde o início de novembro, acusado de corrupção. Boudou, que foi vice-presidente no governo de Cristina Fernandez Kirchner, ainda está sob investigação por lavagem de dinheiro e associação ilícita.

Segundo parecer do Tribunal, Boudou, que também ocupou o posto de ministro da Economia no governo de Cristina, dificilmente irá interferir no caso contra ele. O ex-vice-presidente nega ter cometido qualquer crime.

Boudou foi um dos oficiais do alto escalão do governo de Cristina (2007-2015), que foram presos acusados de corrupção.

Em outubro, Julio De Vido, um parlamentar que foi ministro do Planejamento no governo de Cristina, se entregou as autoridades, após a Câmara dos Deputados ter votado pela retirada de sua imunidade parlamentar. De Vido é investigado por suspeita de superfaturamento de mais US$ 7 bilhões em contratos do governo para compra de gás natural liquefeito (GNL). Ele também é acusado de possível desfalque em outro caso.

A própria Cristina foi indiciada em 2016, mas conquistou uma cadeira no Senado durante as últimas eleições, o que lhe garante imunidade parlamentar. Ao rejeitar as acusações, Cristina diz que não passam de meros ataques políticos de seu sucessor, o presidente Maurício Macri. 

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.