expectativa

EUA acreditam em acordo de paz após mudança de embaixada para Jerusalém

A inauguração da embaixada americana deve acontecer nesta segunda-feira (14)

É esperado que milhares de palestinos protestem na fronteira entre Gaza e Israel contra a instalação da embaixada americana em Jerusalém ( Foto: Menahem Kahana / AFP )
19:22 · 13.05.2018 / atualizado às 19:33 por AFP

O secretário de Estado americano, Mike Pompeo, e o conselheiro de Segurança Nacional do presidente Donald Trump, John Bolton, disseram, neste domingo (13), que acreditam ser possível um acordo de paz entre israelenses e palestinos depois da mudança da embaixada dos Estados Unidos de Tel Aviv para Jerusalém.

"Certamente o processo de paz não está morto", declarou Pompeo em entrevista ao canal Fox.

"Estamos trabalhando duro [...] e esperamos encontrar uma saída favorável", acrescentou.

As declarações chegam um dia antes da inauguração da embaixada dos Estados Unidos em Jerusalém, coincidindo com o 70º aniversário da criação de Israel, em 1948. Um movimento que vai contra o consenso internacional de que o status da cidade seja decidido entre israelenses e palestinos.

Para Bolton, longe de minar o processo de paz, a mudança o "torna mais fácil".

"É um reconhecimento da realidade", argumentou neste domingo em entrevista à ABC. Segundo ele, "reconhecer a realidade sempre melhora as probabilidades de se [alcançar] a paz".

O embaixador americano em Israel, David Friedman, que apoiou o estabelecimento de assentamentos judaicos na Cisjordânia, também assinalou que há esperança de paz na região.

Reconhecendo a insatisfação dos palestinos, Friedman disse ao canal de TV Fox que "os ânimos mudarão com o tempo, porque entenderão que os Estados Unidos seguem estendendo a mão visando à paz, e as pessoas precisam focar no que é importante, na qualidade de vida, em mais infraestrutura e segurança e em melhores hospitais".

A Organização para a Libertação da Palestina classificou a decisão dos Estados Unidos de transferir sua embaixada como "uma provocação a todos os árabes".

Para o enviado palestino aos Estados Unidos, Husam Zomlot, o governo americano "abandonou o papel conciliador" ao optar pela transferência de sua embaixada, decisão que "cria um conflito religioso, em vez de uma paz digna". 

Mas Zomlot diz em declaração enviada à AFP: "Não devemos renunciar à nossa convicção de que a paz é possível."

Nesta segunda-feira (14), é esperado que milhares de palestinos protestem na fronteira entre Gaza e Israel contra a instalação da embaixada americana em Jerusalém.

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.