Comércio internacional

China diz aos EUA que irá defender seus interesses em questão tarifária

Em resposta, Pequim listou 128 produtos americanos que poderão ser alvos de barreiras alfandegárias, como a carne de porco e o alumínio reciclado

10:28 · 24.03.2018 por Estadão Conteudo
Lui He
Liu He foi eleito na sessão do dia 13 de março no Congresso Nacional do Povo (NPC) no Grande Salão do Povo em Pequim. ( Foto: FRED DUFOUR / AFP )

O novo vice-primeiro-ministro da China, Liu He, disse ao secretário do Tesouro dos EUA, Steven Mnuchin, que Pequim está pronta para defender seus interesses após o presidente Donald Trump anunciar planos de impor tarifas a cerca de US$ 60 bilhões em importações chinesas.

Durante conversa telefônica, He disse a Mnuchin que o projeto assinado por Trump viola as regras de comércio internacional. Segundo o vice-premiê, a China está "pronta e capaz de defender seus interesses nacionais e espera que ambos os lados continuem racionais".

Na quinta-feira (22), Trump assinou um memorando que estabelece tarifas contra a China, além de impor restrições às transferências de tecnologia e aquisições por parte de Pequim. A ideia é pressionar o país asiático e restringir o que Washington considera práticas injustas de comércio e investimento. 

Em resposta, Pequim anunciou uma lista com 128 produtos americanos que serão alvo de barreiras alfandegárias. Entre os produtos americanos que podem ser tarifados pela China estão carne de porco e alumínio reciclado. 

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.