protesto

Centenas marcham em Hollywood por campanha #MeToo contra abuso sexual

Os manifestantes se reuniram em frente ao Dolby Theatre, local onde anualmente acontece a cerimônia de entrega do Oscar

08:56 · 13.11.2017 / atualizado às 10:16 por AFP
Centenas marcham em Hollywood por campanha #MeToo contra abuso sexual
Um movimento contra abuso sexual emergiu depois que o produtor de cinema Harvey Weinstein e outras personalidades do mundo do entretenimento foram acusadas de assédio ( Foto: AFP )

Centenas de pessoas se uniram no domingo (12) em Hollywood, em apoio ao crescente movimento contra abuso sexual que emergiu depois que o produtor de cinema Harvey Weinstein e outras personalidades do mundo do entretenimento foram acusadas de assédio.

Os manifestantes se reuniram em frente ao icônico Dolby Theatre em Hollywood para chamar a atenção para o tema. É nesse local que acontece a festa de entrega das estatuetas do Oscar, o grande prêmio da indústria cinematográfica americana.

Nos cartazes dos ativistas, podia-se ler "Como me visto não quer dizer que 'sim'!!! #MeToo" (#EuTambém), ou "Unidos para enfrentar o patriarcado".

O protesto aconteceu em meio à enxurrada de cruéis revelações feitas por homens e mulheres de casos de abuso sexual por parte de poderosos do showbusiness.

A campanha #MeToo para denunciar assédio e abuso começou em meados de outubro no Twitter, com mulheres de diferentes partes do planeta revelando suas experiências.

"Estou realmente feliz de estar aqui, porque foi Hollywood que abriu esse escândalo", disse Tarana Burke, cofundadora da organização Just Be Inc., ao jornal The Los Angeles Times.

"É realmente simbólico que se faça essa passeata, não com estrelas de Hollywood, e sim em Hollywood", acrescentou.

Na semana passada, o comediante Louis C.K. se tornou a mais nova figura de Hollywood acusada de abuso sexual, depois de Weinstein, do produtor-diretor Brett Ratner, do escritor-diretor James Toback, do ator Kevin Spacey e do produtor Benny Medina.

 

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.