Bento XVI diz que vai continuar servindo à Igreja

Depois de deixar a chefia da Igreja, o cardeal Joseph Ratzinger passará dois meses na residência pontifícia de Castel Gandolfo

13:39 · 24.02.2013 por Redação Web/Folhapress/ Agência Brasil

O papa Bento XVI celebrou neste domingo (24) seu último Angelus. O papa afirmou que Deus o chamara ao monte para que se dedicasse à pregação e à oração, acrescentando que não abandonará a Igreja. "Se Deus me pede isso, é para que possa continuar a serví-Lo com o mesmo amor".

Papa fez sua última aparição dominical FOTO: Agência Reuters/Arquivo 

>Trama de poder, corrupção e sexo ofuscam conclave
>Cúpula da Santa Sé rebate com força 'boatos' sobre corrupção e sexo

O público não chegou perto do que era previsto pelos telejornais britânicos, estimado em 250 mil. No total, pouco mais de 50 mil pessoas foram ver o papa em sua aparição dominical.

A fala foi toda lida durante curtos 12 minutos, com apenas um trecho improvisado para "agradecer aos céus por um pouquinho de sol". O discurso, puramente eclesiástico, girou em torno da transfiguração de Cristo, ocorrida no alto de uma montanha e que, segundo a doutrina cristã, representa o encontro do temporal com o eterno.

Brasileiros marcaram presença neste domingo no Vaticano

Grupo formado por seminaristas brasileiros, a maioria paraibanos se mostraram bem dispostos e animados na manhã deste domingo. Agitaram seis bandeiras brasileiras, de longe as mais numerosas, derrotando as da Polônia, do México, da Romênia, até da Itália, da Espanha, da Alemanha do papa, do Chile e uma da Índia, de pouca tradição católica.

Os brasileiros comemoraram quando o papa disse em português, como é da praxe nos "Angelus": "obrigado pela vossa presença e por todas as manifestações de afeto e solidariedade". Bento XVI agradeceu também em francês, inglês, alemão, espanhol, polonês e italiano.

O Angelus terminou com os sinos da Basílica de São Pedro repicando. Após isso, os fiéis e os curiosos sairam devagar.

Papa voltará a ser cardeal e terá nova residência

Depois de deixar a chefia da Igreja, o cardeal Joseph Ratzinger passará dois meses na residência pontifícia de Castel Gandolfo. Esse é o tempo previsto para conclusão da reforma do mosteiro de clausura, no próprio Vaticano, onde viverá.

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.