Califórnia

Ataque contra YouTube tem feridos e morte de suposta atiradora

Dos feridos, dois estão em estado grave e foram levados a um hospital

20:43 · 03.04.2018 / atualizado às 19:17 · 04.04.2018 por AFP
tiros youtube
Funcionários descreveram cenas de caos enquanto tentavam escapar da sede do YouTube ( FOTO: JOSH EDELSON / AFP )
ATAQUE YOUTUBE
O tiroteio acontece em meio a um debate intenso sobre a necessidade de ampliar o controle do porte de armas ( FOTO: JOSH EDELSON / AFP )
Um ataque a tiros nos escritórios do YouTube, na Califórnia, nesta terça-feira (3), deixou pelo menos três feridos e provocou uma fuga caótica, antes de a principal suspeita aparentemente cometer suicídio.
 
Em meio ao cenário caótico na cidade de San Bruno, uma mulher que se acreditava ser a atiradora foi encontrada morta na sede da plataforma de vídeos da Google.
 
Os feridos foram baleados - dois estão em estado grave - e foram levados a um hospital para serem atendidos, segundo a imprensa local. 
 
"Temos quatro vítimas que foram transportados por ferimentos relacionados aos disparos. Temos uma pessoa suspeita que morreu dentro do prédio com um ferimento autoinfligido", disse o chefe da polícia de San Bruno, Ed Barberini, à imprensa. 
 
Barberini não esclareceu imediatamente se esse balanço inclui a suspeita. "A investigação está em curso", insistiu o chefe da polícia, sem dar mais detalhes sobre a mulher. "Neste momento, acreditamos que seja a atiradora". 
 
Ataques a tiros perpetrados por mulheres são extremamente raros nos Estados Unidos, onde a vasta maioria dos atos de violência com armas de fogo é executada por homens.
 

iframe width="560" height="315" src="https://www.youtube.com/embed/6-duVL-0z-w" frameborder="0" allow="autoplay; encrypted-media" allowfullscreen>

Histórico
 
De acordo com um estudo do FBI que analisou 160 incidentes envolvendo um ou mais atiradores em locais públicos entre 2000 e 2013, apenas seis das pessoas que abriram fogo eram mulheres - 3,8% do total. 
 
Em meio aos relatos conflitantes sobre vítimas, Barberini disse que os feridos "foram transportados e estão sendo tratados para os ferimentos que são tratáveis".
 
Ele afirmou que a polícia lacrou o prédio enquanto a investigação e as buscas por possíveis vítimas adicionais continuam. 
 
Fuga caótica
 
Funcionários descreveram cenas de caos enquanto tentavam escapar da sede do YouTube perto de San Francisco. Um deles disse ter visto sangue pelo chão enquanto fugia. 
 
"Estávamos em uma reunião e ouvimos pessoas correndo porque estava ressoando no chão. O primeiro pensamento foi que era um terremoto", tuitou o funcionário Todd Sherman.
 
Ele disse que enquanto se encaminhava para a saída, "alguém disse que tinha alguém com uma arma". "Neste momento, qualquer nova pessoa que eu via era um atirador em potencial". 
 
Os tuítes de Sherman continuaram: "Eu olhei para baixo e vi gotas de sangue no chão e nas escadas. Procurei ameaças, e então descemos as escadas e saímos"; 
 
Uma imagem publicada no Twitter mostra funcionários sendo retirados do prédio com as mãos ao alto, sem maiores explicações. 
 
Testemunhas relataram ainda a presença de helicópteros e policiais da equipe de choque SWAT no local. 
 
Repercussão
 
A Casa Branca disse que o presidente Donald Trump tinha sido informado e que seu governo estava monitorando a situação em andamento em San Bruno. 
 
Pouco depois, Trump tuitou: "Nossos pensamento e orações estão com todos os envolvidos. Obrigado aos nossos fenomenais agentes da lei e de primeiros socorros que estão atualmente na cena". 
 
Já a Google tuitou que estava "coordenando com autoridades e hospitais" e que sua "equipe de segurança trabalhou de perto com as autoridades para evacuar o edifício e garantir a segurança dos funcionários". 
 
Os escritórios do YouTube ficam a 50 km do campus principal da Google, em Mountain View.
 
Armas de fogo
 
O tiroteio acontece em meio a um debate intenso sobre a necessidade de ampliar o controle do porte de armas nos Estados Unidos. 
 
Estima-se que 1,5 milhão de pessoas participaram de manifestações em todo o país em 24 de março pedindo normas mais rigorosas em relação às armas de fogo, após um ataque a tiros em uma escola em Parkland, na Flórida, em fevereiro.

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.