Seis décadas

158 membros da Igreja Católica são investigados por casos de pedofilia no Chile

Os casos se referem a 144 investigações sobre fatos ocorridos de 1960 até hoje e envolvem 266 vítimas, entre elas crianças e adolescentes de ambos os sexos

17:51 · 23.07.2018 / atualizado às 17:55 por Folhapress

Um total de 158 membros da Igreja Católica chilena, entre eles bispos, padres e leigos, são investigados como autores ou cúmplices em casos de abuso sexual de menores e adultos durante quase seis décadas, revelou nesta segunda-feira a Procuradoria Nacional

Os casos se referem a 144 investigações sobre fatos ocorridos de 1960 até hoje e envolvem 266 vítimas, entre elas crianças e adolescentes de ambos os sexos.

"Na grande maioria os fatos denunciados correspondem a delitos sexuais cometidos por sacerdotes, párocos ou pessoas vinculadas a estabelecimentos educacionais", afirma o documento apresentado pelo promotor Luis Torres.

Foram incluídos no levantamento quem formava parte do clero, como bispos, sacerdotes, presbíteros ou diáconos, assim como "pessoas pertencentes à vida consagrada", como irmãos, monges, frades e religiosos.

O documento inclui ainda "pessoas leigas que exerciam alguma função no âmbito eclesiástico".

Recentemente o papa Francisco aceitou a renúncia de cinco bispos chilenos, quatro deles acusados como encobridores de abuso sexual de sacerdotes.

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.