Visita marcada por acidente

Na Colômbia, papa elogia acolhida a venezuelanos

Sempre sorridente, Francisco sofreu um pequeno ferimento, ao bater o rosto no vidro do papamóvel quando tentava abraçar um fiel ( Foto: Agência France Presse )
00:00 · 11.09.2017 / atualizado às 09:23

Cartagena. O papa Francisco fez, na manhã deste domingo (10), em Cartagena, um elogio à acolhida que a Colômbia vem dando aos venezuelanos que atravessam a fronteira para fugir da crise política e econômica.

Disse que "vem orando por todos os filhos e filhas dessa amada nação da Venezuela" e fez um "chamado a todos para que rejeitem a violência política e rezem por uma solução a essa grave crise, que atinge a todos, mas especialmente aos mais pobres e aos mais desfavorecidos".

Peregrinação

O último dia da visita do pontífice ao país foi marcado por uma peregrinação, que começou no fim do sábado (9) e atravessou a noite, de fieis que vieram dos bairros periféricos da cidade. No centro histórico, estes se encontraram com turistas e religiosos estrangeiros hospedados nos hotéis da cidade amuralhada.

"Meu filho nunca tinha vindo ao centro, pensei que a visita do papa seria a melhor oportunidade, para que ele fosse abençoado pelo papa nessa terra que nos acolheu", contou Pedro Urreta, 42, que saiu de madrugada de sua casa, no bairro Nelson Mandela, uma urbanização formada por "desplazados" (deslocados pela violência), e usou vários tipos de condução (moto, ônibus e caminhada), até chegar ao centro histórico de Cartagena.

"Cresci nos Montes de María (ao sul do Departamento), onde os paramilitares causaram muita violência por vários anos. Perdi parentes e amigos, por isso vim para Cartagena, e aqui recomecei minha vida com eles", disse Pedro, ao lado do filho Javier, 6, e a mulher, Estefania, 32.

Na porta da Igreja de San Pedro Claver, o papa abençoou a todos fez referências ao passado histórico da cidade. "Ainda hoje, na Colômbia e no mundo, milhões de pessoas ainda são vendidas como escravos, e mendigam um pouco de humanidade."

Acidente

No caminho até o local, o pontífice fez um percurso que atravessou outros bairros humildes dessa cidade de 900 mil habitantes, mas cuja população abaixo da linha de pobreza é de cerca de 300 mil. No bairro de San Francisco, o papa se machucou, batendo o rosto no vidro do papamóvel quando tentava abraçar um fiel. Os médicos quiseram interromper a viagem para atendê-lo, mas o religioso respondeu não ser necessário.

Na parte da tarde, o papa Francisco rezou sua última missa em solo colombiano, para uma plateia formada por cerca de um milhão de pessoas.

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.