COMBATE AO RACISMO

Milhares protestam contra neonazistas em Washington

00:00 · 13.08.2018
Image-0-Artigo-2439054-1
Pessoas se reuniram no centro da cidade com mensagens de rejeição ao preconceito étnico e de cor ( Foto: AFP )

Washington. Milhares de manifestantes se reuniram em uma praça no centro de Washington ontem para protestar contra a chegada de supremacistas brancos à capital dos Estados Unidos no primeiro aniversário da sangrenta passeata de neonazistas de Charlottesville, na Virgínia. Diversos grupos de manifestantes se reuniram no centro da cidade com palavras de ordem e cartazes com mensagens de rejeição ao racismo, à xenofobia e ao fascismo para evitar que se repitam fatos trágicos como os vividos em agosto de 2017. Famílias com crianças, pessoas comprometidas contra os discursos de ódio, ativistas negros, antifascistas e socialistas são alguns dos perfis que podem ser vistos na Freedom Plaza, situada a 700 metros da Casa Branca. Várias pessoas se concentraram na praça para ganhar em número e combater o discurso de ódio dos neonazistas, que horas depois chegarão à capital.

Crítica a Trump

Entre os manifestantes se encontra Amanda Trebach, integrante da organização Internacional Socialista e enfermeira. Segundo ela, os neonazistas precisam ser confrontados em número nas ruas para que vejam que não têm uma mensagem majoritária. "Acho que o presidente (Donald Trump) está reforçando a mensagem dos nazistas porque apoia muitas das suas ideias, porque não condenou os grupos que chegam hoje à cidade. Ele os empoderou", enfatizou a ativista, ao explicar que as ações físicas contra xenófobos não são a melhor solução.

Antifascismo

Ian, um jovem antifascista que cobre o rosto com um lenço colorido, explicou que decidiu viajar de Baltimore, no estado de Maryland, para mostrar que existe uma oposição ativa aos neonazistas. "O que me importa é que o fascismo não consiga legitimar o supremacismo branco, temos várias estratégias", disse Ian, ao ser perguntado se a violência é uma alternativa para combater os supremacistas. Esses protestos buscam repudiar a manifestação "Unir a Direita", convocada pelas mesmas pessoas que convocaram ato similar em Charlottesville há um ano. Os contramanifestantes chegaram com a premissa de não coincidirem em tempo e lugar com os neonazistas para evitarem as situações de violência que ocorreram em 2017, mas o alerta de segurança é máxima na capital, em parte porque o lugar no qual as duas concentrações convergem é o Parque Lafayette, em frente à Casa Branca.

Charlottesville

Os protestos em Charlottesville, símbolos da tensão racial, ocorreram há um ano, quando supremacistas brancos percorreram a cidade em protesto contra a retirada da estátua de um general escravista da guerra civil dos Estados Unidos. Um manifestante neonazista usou um veículo para atropelar uma multidão que participava de um protesto anti-racismo. Uma mulher morreu e 19 pessoas ficaram feridas. Além disso, dois policiais morreram em um acidente de helicóptero quando tentavam apaziguar os protestos.

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.