Na Itália

Justiça apura se ministro 'sequestrou' refugiados

00:00 · 08.09.2018
Image-0-Artigo-2450806-1
Procurador abriu inquérito contra Matteo Salvini (Interior), que se recusou a autorizar desembarque de 140 migrantes socorridos pelo "Diciotti" ( Foto: AFP )

Palermo/Roma. A procuradoria de Palermo, sul da Itália, iniciou uma investigação por sequestro de pessoas contra o ministro do Interior, Matteo Salvini, que questionou a decisão e fez um chamado a seus eleitores.

Salvini, líder da extrema direita italiana, abriu, leu e comentou um e-mail da procuradoria em um vídeo transmitido ao vivo em sua página de Facebook.

Em 25 de agosto um procurador de Agrigento (Sicília) abriu uma investigação contra Salvini, que se negou a autorizar o desembarque na Itália de mais de 140 migrantes socorridos pelo navio "Diciotti", dos guarda-costeiros italianos, na noite de 15 de agosto. Os migrantes conseguiram desembarcar após um acordo com Irlanda, Albânia e a Igreja católica italiana, que se comprometeram a recebê-los.

A investigação contra Salvini foi transferida a uma jurisdição de Palermo habilitada a julgar os membros do poder executivo. Esta instância manteve a acusação de sequestro agravado.

"Um órgão de Estado investiga outro órgão de Estado. Com a pequena diferença de que vocês elegeram este órgão de Estado", disse Salvini no vídeo, apontando para si mesmo. "Ninguém elegeu os outros e eles não respondem ante ninguém".

"Foram vocês que me pediram para controlar as fronteiras, controlar os portos, limitar os desembarques, limitar as partidas, expulsar clandestinos", acrescentou o ministro.

Crise migratória

Na sexta-feira (7) de manhã, em Roma, a polícia deteve 16 jovens que faziam fila em frente a um dispensário em um acampamento improvisado administrado pela associação Baobab Experience. "Não estamos falando de pessoas procuradas ou de fugitivos", insistiu a associação em um comunicado. "São migrantes em trânsito, a Itália é apenas uma etapa para eles".

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.