Após intensa negociação

Itália terá 1º governo populista de sua história

Depois de idas e vindas, Giuseppe Conte foi confirmado como novo premiê pelo presidente Sergio Mattarella

00:00 · 01.06.2018 / atualizado às 02:21

Roma. O líder do populista Movimento 5 Estrelas, Luigi Di Maio, e o líder da direitista Liga, Matteo Salvini, chegaram ontem a um novo acordo para formar o primeiro governo populista da história da Itália, após terem fracassado há quatro dias.

"Reuniram-se todas as condições para se formar um governo", anunciaram em um comunicado conjunto, com o qual colocaram em andamento os mecanismos para designá-lo.

O governo será liderado pelo professor Giuseppe Conte, um jurista sem experiência política convocado hoje pelo presidente da república, Sergio Mattarella, que o designou como primeiro-ministro. Após quase quatro horas de reunião, Di Maio e Salvini chegaram a um acordo sobre uma nova lista de ministros, que substitui na pasta de Economia Paolo Savona, vetado no último domingo por Mattarella por suas posições contrárias ao euro.

Na Itália, uma república parlamentarista, os ministros têm que ser aprovados pelo presidente antes de o Executivo ser ratificado pelo parlamento.

"Compromisso, coerência, ouvir, trabalhar, paciência, senso comum, coração e mente pelo bem dos italianos. Depois de tantos obstáculos, ataques, ameaças e mentiras, parece que conseguimos", publicou Salvini no Facebook. A ideia de um governo M5E-Liga havia sido abandonada no domingo à noite, após o veto de Mattarella à nomeação à frente do Ministério de Economia e Finanças de Paolo Savona, um economista que considera o euro "uma prisão alemã".

Proposta

Na quarta-feira (30) à noite, Luigi Di Maio propôs um compromisso: manter Savona, mas em outra posição, e nomear em seu lugar uma personalidade "do mesmo escopo". Segundo a imprensa local, Savona será ministro dos Assuntos Europeus, enquando o estratégico Ministério da Economia ficaria a cargo do professor de economia política e jurista Giovanni Tria.

Tria é apreciado pela Liga pela defesa da simplificação da burocracia, mas é favorável à permanência da Itália com o euro.

"Já que não é necessário um governo técnico, renunciei ao cargo dado pelo presidente Mattarella", anunciou o economista Carlo Cottarelli no palácio presidencial. "Um governo de caráter político é a melhor solução para o país e evita a incerteza que novas eleições geram", acrescentou Cottarelli, a quem haviam pedido que formasse um governo de transição ante a crise política. A Itália estava há 89 dias sem governo, desde as eleições de 4 de março. Conte apresentou a lista de seus ministros, que irão prestar juramento amanhã, segundo o secretário-geral da presidência, Ugo Zampetti.

Temas socioeconômicos

Entre as principais pautas socioeconômicas que devem marcar o novo governo estão: a tentativa de deter a venda da companhia de aviação Alitalia, em crise há anos, que deve ser "salva e incluso relançada"; a negociação de um novo projeto de linha ferroviária rápida entre França e Itália; o desenvolvimento da "economia verde" e do uso dos carros elétricos; a luta contra os jogos de azar; além do fechamento de todos os acampamentos para nômades irregulares sob a pena de expulsão.

arte

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.