Dinamarca

Inventor é condenado à prisão perpétua

Peter Madsen, famoso por fabricar submarinos e foguetes, matou e esquartejou jornalista por "perversão sexual"

Kim Wall, de 30 anos, embarcou no submarino para uma reportagem sobre o engenheiro Peter Madsen, de 47 anos, que admitiu ser um "psicopata" ( FOTO: AFP )
00:00 · 26.04.2018

Copenhague. Um tribunal dinamarquês condenou, ontem, o inventor Peter Madsen à prisão perpétua pela morte e esquartejamento de uma jornalista sueca em agosto de 2017 a bordo de um submarino feito por ele.

Kim Wall, 30, estava fazendo uma reportagem sobre o inventor e, por isso, embarcou com ele no "UC3 Nautilus" em Copenhague no dia 10 de agosto, mas nunca mais foi vista.

Ele era conhecido no país como um engenheiro autodidata, que tinha construído sozinho submarinos e foguetes.

Madsen, 47, foi detido no dia seguinte, ao voltar sem a sueca. Duas semanas depois, o tronco da jornalista foi achado no mar, seguido de braços, pernas e da cabeça -testes de DNA confirmaram que o corpo era dela.

O dinamarquês disse então que a morte tinha sido acidental, mas confessou ter desmembrado o corpo e o jogado no mar. Ele também afundou de propósito o próprio submarino.

Vestido de preto, Madsen não expressou reação quando a juíza anunciou a decisão. Sua advogada anunciou que vai recorrer da sentença, mas ele continuará preso enquanto aguarda o recurso. A pena de prisão perpétua era a mais alta que podia ser dada. "Após uma análise completa, a corte definiu que o acusado matou Kim Wall", disse a juíza Anette Burkoe ao anunciar a decisão. Segundo ela, Madsen "desmembrou o corpo para esconder as evidências do crime que tinha cometido".

Os promotores afirmaram que o inventor matou a jornalista estrangulada ou cortou sua garganta, mas a análise forense foi inconclusiva. A acusação sustenta que Madsen matou Wall com o objetivo de satisfazer uma fantasia sexual, para depois mutilar seu corpo. No computador de seu laboratório foram encontrados filmes "fetichistas" em que mulheres são torturadas, decapitadas e queimadas.

'Psicopata'

Madsen foi descrito pelos psiquiatras como um "polimorfo perverso com características psicopáticas" e que apresenta, além disso, um "risco elevado de reincidência". Durante o processo, ele admitiu ser "um psicopata, mas carinhoso".

Algumas testemunhas, incluindo ex-namoradas suas, descreveram-o como um homem com múltiplas "perversões sexuais", adepto ao sadomasoquismo. "Madson é uma mentira de A a Z", afirmou o promotor em suas alegações finais. "É um perigo para a sociedade". "Ele vai voltar a fazer isso", sentenciou o relatório psiquiátrico.

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.