A crianças imigrantes

Illinois investiga supostos abusos

00:00 · 20.07.2018
Image-0-Artigo-2429083-1
Na fronteira com México, autoridades dos EUA tentam inibir imigração ilegal separando filhos dos pais ( FOTO: AFP )

Chicago. A porta-voz do Departamento de Serviços para Crianças e Famílias do estado norte-americano de Illinois, Alissandra Calderón, afirmou ontem que a instituição investiga a organização não-governamental Heartland Alliance por "alegações de abuso e negligência".

A Heartland Alliance é uma ONG de Chicago que reúne diversos abrigos onde estão crianças que foram separadas dos pais depois de terem cruzado a fronteira entre o México e os EUA.

Entre as crianças que passaram ou ainda estão no abrigo estão diversas crianças brasileiras. A assistente jurídica que trabalhou em dois dos casos de crianças de nacionalidade brasileira que foram entregues a seus pais, Luana Mazon, do escritório de advocacia Jeff Goldman, relatou que duas das crianças brasileiras que passaram pelo abrigo se queixaram de ter que cuidar de trabalhos domésticos, como limpeza do abrigo, incluindo do banheiro, sem o uso de luvas, e de não terem recebido cuidados médicos adequados quando uma delas quebrou o braço jogando futebol.

Nesta semana, a mídia internacional relatou casos de supostos abusos nos abrigos em Chicago. Reportagem do "The Washington Post" trouxe relatos de que funcionários dos abrigos ameaçavam as crianças de ficarem presas para sempre caso não se comportassem.

A reportagem também aponta o relato de crianças de que teriam visto um menino de 5 anos receber injeções que o faziam dormir sobre a escrivaninha de estudos.

Em resposta às denúncias publicadas no jornal, o senador do partido Democrata Dick Durbin se pronunciou exigindo explicações da Heartland Alliance pelas acusações de abuso físico e emocional no abrigo em Chicago.

Na carta enviada à instituição, o senador pede para que seja notificado sobre a veracidade das alegações. A ONG iniciou uma investigação interna.

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.