DE CONVERSA COM PRESIDENTE

Ex-assessora de Trump expõe áudio

00:00 · 14.08.2018
John Kelly, Omarosa Newman
Ao revelar gravação secreta de John Kelly, Omarosa Newman, ex-funcionária da Casa Branca, expôs uma fragilidade de uma área de alta segurança ( FOTO: AFP )

Washington. A ex-funcionária da Casa Branca e celebridade de televisão, Omarosa Manigault Newman, divulgou a gravação de uma conversa privada com o presidente Donald Trump depois de ter sua demissão anunciada pelo chefe de gabinete da Casa Branca. O programa "Today" do canal NBC divulgou a gravação, na qual Trump afirma que não sabia que ela havia sido demitida por John Kelly, e expressa pesar pela notícia.

A gravação é a última etapa do descontentamento da mulher de 44 anos, que já foi uma fervorosa defensora de Trump.

A gravação também parece mostrar um presidente que tem um conhecimento reduzido do que acontece dentro da Casa Branca ou que está disposto a mentir para evitar um confronto. "Omarosa? Omarosa o que está acontecendo? Eu acabo de ver as notícias de que você está pensando em sair? O que aconteceu?", questiona Trump, aparentemente sem saber que ela já havia sido demitida.

"Ninguém me disse", completa o presidente. "Você sabe que eles comandam uma grande operação, mas eu não sabia".

O presidente continua: "Eu não sabia. Maldição! Não gosto que você vá embora de jeito nenhum". Depois da divulgação do áudio, aparentemente gravado na Sala de Crise da Casa Branca, Trump chamou "Omarosa", como é conhecida a ex-funcionária, de "delinquente".

Justificativa

Omarosa afirmou que decidiu divulgar a gravação secreta de John Kelly na "Situation Room" - o que significa uma violação dos protocolos de segurança- e que gravou conversas com Trump porque "esta é uma Casa Branca na qual todos mentem".

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.