Ex-presidente

EUA vão extraditar Martinelli ao Panamá

00:00 · 09.06.2018

Miami/Panamá. O ex-presidente panamenho Ricardo Martinelli será extraditado de Miami para responder a acusações de espionagem em seu país, decidiu na sexta o Departamento de Estado americano e confirmado pelo governo panamenho.

Em carta, o departamento rechaça os argumentos que foram apresentados pela equipe de Martinelli para evitar a sua extradição, em particular os relativos ao suposto risco de ser torturado se for devolvido ao seu país.

Martinelli, de 66 anos, era solicitado pela Justiça panamenha sob acusações de desviar fundos para criar uma rede de espionagem que alcançou 150 pessoas durante mandato (2009-2014), incluindo jornalistas e políticos.

Não obstante, a Justiça panamenha o investiga por mais de 20 outros casos de corrupção, mas nenhum deles está ligado ao pedido de extradição.

Sob o tratado de extradição entre os países, que entrou em vigor em 1905, o ex-presidente só pode ser processado em seu país pelos crimes pelos quais foi solicitado em extradição.

No Panamá, o presidente Juan Carlos Varela confirmou que recebeu o aviso de entrega.

Martinelli foi detido em 12 de junho do ano passado e esteve preso em Miami desde então. Martinelli afirma que seu pedido de extradição é uma "vingança" política de seu ex-vice-presidente e atual presidente, que supostamente o teria "traído".

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.