uso indevido de dados

Escândalo do Facebook: Zuckerberg na mira de britânicos e americanos

Parlamento do Reino Unido e agência ligada à Casa Branca exigem do criador da rede social explicações sobre o caso

O presidente da companhia deverá esclarecer denúncias de que empresa ligada à campanha republicana usou dados de usuários para influenciar eleição ( Foto: AFP )
00:00 · 21.03.2018 / atualizado às 09:10

Londres/Washington. Autoridades do Reino Unido e dos EUA convocaram, ontem, o fundador e o presidente do Facebook, Mark Zuckerberg, para responder a questões sobre o uso indevido de dados pessoais dos usuários da rede social.

No final de semana, surgiram na imprensa britânica e americana denúncias de violação de privacidade, com acesso ilegal a informações privadas dos usuários e de seus amigos em testes digitais de personalidade.

> EUA quer garantir segurança eleitoral

Na verdade, eram armadilhas criadas por empresas de marketing eleitoral para capturar as tendências da opinião pública e influenciar principalmente o debate político e votações importantes como o Brexit (saída britânica da União Europeia) e a eleição de Donald Trump em 2016.

No sábado (17), o jornal "The New York Times" revelou que a Cambridge Analytica, que participou da campanha de Trump, obteve dados sigilosos de 50 milhões de usuários do Facebook e usou as informações para ajudar a eleger o presidente americano.

Segundo o jornal, o roubo dos dados foi feito através do aplicativo thisisyourdigitallife, da empresa GSR. A pessoa consentia que o programa tivesse acesso às suas informações no Facebook, como localização e "likes". O aplicativo, porém, não avisava que também captava as informações de todos os amigos, chegando ao total de 50 milhões de pessoas. Esses dados foram vendidos então pela GSR para a Cambridge.

A Comissão Federal de Comércio (FTC), agência ligada ao governo dos EUA, procuradores de Nova York e Massachusetts abriram, ontem, investigações contra o Facebook.

Prostitutas e suborno

Um comitê do Parlamento do Reino Unido pediu para ouvir Zuckerberg. O presidente do Comitê de Mídia do Parlamento, Damian Collins, disse que o órgão já questionou várias vezes o Facebook sobre o uso de dados.

Já o canal britânico Channel 4 mostrou os bastidores da Cambridge Analytica. Na reportagem, os diretores ofereciam a um jornalista que se fez passar por cliente potencial estratégias para desacreditar seus rivais políticos envolvendo-os com prostitutas, ou subornos.

Os diretores explicavam técnicas para manipular a opinião pública, como lançar calúnias contra os candidatos. O presidente da companhia, Alexander Nix, ensinava armadilhas. "Explorar a vida dos candidatos para encontrar casos sujos pode ser interessante", disse Niz ao repórter infiltrado. Outra sugestão dele era "enviar algumas garotas para a casa do candidato".

No Brasil, o publicitário André Torretta disse ontem ter suspenso um projeto de prospectar clientes para as eleições. Ele tinha parceria com a Cambridge.

 

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.