Atropelamento em Toronto

Crime pode ter sido ato misógino

00:00 · 28.04.2018

Ottawa. Oito mulheres estão entre os mortos por um jovem canadense, em um aparente ato de ódio direcionado às mulheres, lançou a van alugada que dirigia em pedestres que andavam em uma calçada em Toronto, informou a Polícia na sexta.

Os mortos tinham entre 22 e 94 anos, e entre eles estava um jordaniano que visitava seu filho e um estudante sul-coreano, informou aos jornalistas o inspetor Bryan Bott, da delegacia de homicídios. Ele também disse que o número confirmado de feridos subiu para 16 e que em breve serão apresentadas duas acusações adicionais de tentativa de homicídio ao acusado para refletir este número. Os dois feridos recém-identificados, um homem de 21 anos e uma mulher de 67, haviam deixado o local do atropelamento antes da chegada dos serviços de emergência, mas foram à Polícia depois.

Rejeição

O acusado como responsável pelo massacre é Alek Minassian, de 25 anos, que foi preso na segunda-feira perto do local.

Em uma postagem no Facebook momentos antes do atropelamento, ele elogiou Elliot Rodger, um americano de 22 anos que em 2014 assassinou seis pessoas na Califórnia, suicidando-se em seguida.

Rodger tinha manifestado na rede social frustração por sua virgindade e por se sentir rejeitado pelas mulheres.

A postagem do suspeito também fez alusão "à revolta dos 'incel'", abreviatura em inglês para "involuntariamente celibatário", expressão vinculada a grupos de homens sexualmente frustrados, conhecidos pelo comportamento misógino.

"Derrubaremos todos os Chads e Stacys!", dizia o post, em alusão aos apelidos usados na comunidade para descrever as pessoas que têm facilidade em encontrar parceiros sexuais.

Minassian recebeu 10 acusações de homicídio premeditado e de tentativas de homicídio relacionadas aos feridos.

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.