Massacre de Las Vegas

Atirador 'estudou' Chicago e Boston

00:00 · 06.10.2017
Image-0-Artigo-2306621-1
Namorada de Paddock, Marilou Danley, descreveu-o como "bondoso, carinhoso e tranquilo" ( Foto: AFP )

Las Vegas/Chicago. O atirador de Las Vegas, que executou o maior massacre com arma de fogo da história recente dos EUA, também considerou a possibilidade de ir a Chicago e Boston, relatou a imprensa americana.

Em agosto, Stephen Paddock reservou dois quartos durante o festival Lollapalooza no hotel Blackstone, em Chicago, que tem vista para o grande parque do centro da cidade, onde o famoso evento ocorreu, de acordo com o site TMZ e NBC News.

O apostador e contador aposentado de 64 anos também procurou por hotéis próximos ao estádio de beisebol Fenway Park, em Boston, mas não houve indícios de que tivesse viajado à cidade, relatou a NBC News, citando funcionários de alto escalão.

As autoridades descobriram o interesse de Paddock nessas duas cidades ao examinar sua comunicação e equipamentos eletrônicos. Milhares de pessoas foram ao Lollapalooza, no Grant Park, incluindo Malia Obama, filha de Barack Obama.

Segundo a imprensa, Paddock nunca apareceu para sua reserva em Chicago, mas o período de 2 a 5 de agosto poderia ter dado a ele uma oportunidade similar à do festival na Las Vegas Strip no domingo.

As notícias sobre a conexão com Chicago levaram os oficiais a reforçar a segurança de uma maratona que acontecerá no fim de semana.

A namorada do responsável pelo massacre de Las Vegas, que deixou 58 mortos, disse, ontem, que desconhecia os planos de seu companheiro de atirar contra uma multidão, e se comprometeu a ajudar nas investigações. "Nunca me disse nada ou fez qualquer ação que me alertasse que algo terrível como isso pudesse acontecer", disse Marilou Danley, de 62 anos.

"Conheci um Stephen Paddock bondoso, carinhoso e tranquilo", revelou Marilou.

"Eu o amei e apostei em um futuro tranquilo juntos".

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.