Especial publicitário

Gastronomia

O setor que dribla a crise

10:11 · 01.11.2017
Pesquisa realizada pelo  Instituto Foodservice Brasil (IFB), divulgada em 2014, mostrou que os brasileiros gastam quase um terço de seu orçamento destinado à alimentação com
refeições fora de casa. Em 2015, o mesmo IFB, em parceria com a GS&MD, divulgou dados que mostraram que o mercado de alimentação vive um momento inverso ao da maioria dos setores: o setor cresce na casa dos dois dígitos, mesmo diante da crise, faturando mais de R$ 170 bilhões ao ano. Ou seja, mesmo em tempos de instabilidade na economia do País, o consumo de alimentos por parte da população se mantém.
O fato também é positivo para manter aquecido o mercado de trabalho para profissionais de gastronomia. “Para quem aguarda novas oportunidades no segmento de gastronomia, a partir do segundo semestre, com as datas comemorativas e a oferta de vagas temporárias, é preciso atentar que esse mercado está em ascensão há alguns anos e exige, cada vez mais, profissionais qualificados”, alerta Ivan Prado, consultor gastronômico no Senac-CE.
 
QUALIFICAÇÃO
Ivan afirma que, para se destacar neste segmento profissional, é preciso investir em uma formação sólida, dentro do perfil que buscam as empresas no setor de alimentos e bebidas (restaurantes, lanchonetes, bares, hotéis, cervejarias, buffets, dentre outros).
Quem faz a faculdade de Gastronomia geralmente entra no mercado de trabalho como auxiliar de cozinha. Com o tempo, pode trabalhar como chef de cozinha, personal chef, com segurança alimentar, em indústrias alimentícias e em gestão, prestando consultoria, ou seguir a carreira acadêmica, ministrando aulas, atuando como crítico gastronômico,  trabalhando no ramo editorial escrevendo e revisando livros de culinária etc. Outra possibilidade é trabalhar em empresas de catering, que fornecem refeições para companhias
aéreas ou eventos.

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.