Especial publicitário

Extra positivo

ORIENTE-SE

04:00 · 07.12.2017
Há uma parte no currículo que poucos candidatos às vagas de emprego dão importância, mas que pode fazer diferença no momento de o empregador decidir pela contratação: os cursos complementares e/ou atividades extras. Desse campo fazem parte todas as habilidades ou formações que não são obrigatórias para que a pessoa se candidate a um posto
de trabalho. São adicionais que enriquecem o currículo do postulante à vaga, como cursos de informática, habilidade com softwares, domínio de idiomas estrangeiros, trabalhos
voluntários, participação em intercâmbios e formações diversas. 
"Depende muito da função que se está buscando, mas vale informar tudo. Às vezes, até um curso que não tem a ver diretamente com sua formação. Se você não domina  determinada área, vale a pena fazer, para aumentar seu conhecimento", recomenda Madalena Mattos, especialista em Recursos Humanos. "Eu já fiz cursos de Programação Neuro-linguística (PNL), coaching, eneagrama. Estou enriquecendo meu currículo, quando surgir uma boa oportunidade", exemplifica.
 
RELEVANTE
Para muitos processos seletivos, o domínio de idiomas não é obrigatório, mas é um dos itens que mais podem pesar a favor. "Se a pessoa não tem um curso, deve fazer, com  um coach ou um professor particular, para aprender mais rapidamente. Também pode ser francês, italiano, até mandarim (falado na China). O que importa é ter um segundo
idioma", garante Madalena Mattos. 
Outro investimento que o candidato deve fazer é no conhecimento dos programas de computador mais utilizados, como os do pacote Office (Word, Excel, Power Point etc). "É muito importante se aprimorar nisso. Muitos candidatos perdem a vaga por não terem habilidade  requerida nesses programas, que são básicos e muito utilizados no dia a dia das empresas", observa Madalena Mattos.  
E com tantas opções, como o candidato à vaga de emprego sabe que curso extra deve fazer? De acordo com Madalena Mattos, o importante é a pessoa identificar suas habilidades . e deficiências. "A pessoa deve buscar algum curso que agregue valor às suas habilidades e competências. Ou fazer algo que contribuia para um ponto fraco, ou que não está tão forte assim.                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                 
 
SAIBA MAIS
 
Dicas para incrementar seu currículo:
. Fazer um curso de idiomas é  um investimento com retorno garantido: o inglês é prioritário, mas qualquer outra língua pode enriquecer o currículo; 
. A habilidade com programas de computador é requisito básico para os aspirantes a uma vaga de trabalho: a internet tem até cursos básicos gratuitos, que servem como
introdução ao tema; 
. Cursos diversos, como formação de palestrantes, também são válidos: tudo o que contribuir para a sua capacidade de se comunicar bem, pode contar pontos em
um processo seletivo;
. Dependendo da empresa e da  função, trabalhos voluntários, participações em seminários, simpósios e até em grêmios estudantis e intercâmbios podem ser valorizados;
. O candidato deve formatar o currículo conforme o empregador, tendo o cuidado para ressaltar as atividades que sejam relevantes para a área em que pretende atuar.                                                                                                                                                                                                                                                                         

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.