ESPECIAL PUBLICITÁRIO

Verde viver

Começando pelo bairro do Cocó, o Caderno Imóveis inicia uma série sobre alguns bairros de Fortaleza mais valorizados em seu perfil imobiliário

04:30 · 18.05.2018

Seja por conta do verde exuberante do Parque Ecológico do Cocó ou pelas facilidades e infraestrutura presentes na região, o bairro do Cocó foi o que mais chamou a atenção de novos consumidores do mercado imobiliário fortalezense em janeiro, fevereiro e março de 2018. O dado vem do Setor de Inteligência da Lopes Immobilis, que acompanha mensalmente os resultados desse mercado em Fortaleza e Região Metropolitana no que diz respeito à venda de imóveis novos.

Segundo a imobiliária, o Cocó foi o bairro que mais vendeu unidades residenciais verticais no primeiro trimestre deste ano em Fortaleza, e um dos fatores influenciadores desse resultado foi o lançamento do empreendimento Montemor Condominium, da Intexi Incorporações, em fevereiro.

Lara Almeida, Diretora Comercial da incorporadora, explica que o Cocó teve modificado seu perfil de moradia nas últimas décadas. Antes, era um bairro de “passagem”, como rota para os tradicionais Aldeota, Meireles e Centro. “Hoje, é um bairro consolidado, com universidades, infraestrutura completa de serviços, situado entre dois grandes shoppings da cidade, sem contar com o maior atrativo do bairro, o Parque do Cocó, que também tem atraído mais famílias para o lazer”, aponta.

INFRAESTRUTURA

O consultor de tecnologia Ricardo Cardoso, de 30 anos, que morava com os pais na Aldeota, escolheu o Cocó para viver com a esposa. "Nós nos casamos e procuramos um bairro que não fosse tão longe nem tão caro como a Aldeota. Eu estudava na Unifor, passava muito pelo Cocó. Achei um apartamento num custo bom, com localização boa, e o selecionamos”, comenta o profissional, que vive na região há quase cinco anos e ressalta a qualidade de vida do local. "Tenho próximo de casa supermercados, banco, padarias, lojas de construção. O acesso à Av. Washington Soares é fácil, consigo fazer quase tudo a pé. Todo domingo a gente vai caminhar no Cocó. Minha filha adora”, ressalta Ricardo.

 

A médica Viviany Viana mora no Cocó há quatro anos e saiu de uma casa, em outro bairro, para um apartamento no Cocó “por questão de segurança. Esse apartamento é muito bem localizado, com a facilidade de vários serviços próximos e perto do meu trabalho”, relata Viviany, que considera o Cocó um bairro tranquilo. “Tem uma temperatura mais amena, por conta da área verde do Parque do Cocó. Eu me desloco a pé aqui no bairro”, afirma a médica, que vai se mudar novamente, para outro prédio, mas não vai
deixar a região.

ALTO PADRÃO

Para a Diretora Comercial da Intexi Incorporações, a qualidade de vida do bairro Cocó tem incentivado os incorporadores a investir em produtos de alto padrão, pois há demanda. O Montemor Condominium, lançado em fevereiro, já teve 53% de suas unidades vendidas, em menos de quatro meses de comercialização. Além do layout do apartamento, com 96,38 m², e do projeto arquitetônico do empreendimento, Lara Almeida atribui o sucesso de vendas ao próprio bairro.

Outra empresa com empreendimento na região é a Dasart Incorporações. O Jonas Cardoso Residence, torre de 36 apartamentos de 92 m², foi lançado no final de 2015 e tem previsão de entrega para novembro. “Morar no Cocó é um privilégio, e nós estamos investindo nessa área de Fortaleza que tem crescido consideravelmente no setor imobiliário nos últimos anos”, argumenta Vitor Frota, Diretor da Dasart Incorporações.

HISTÓRIA DO COCÓ

Nos anos 1960, o Parque do Cocó era uma área com muitos sítios, entre eles o Sítio Diogo, onde funcionava a Salina Diogo. A partir dos anos 1970, com a construção do Hospital Geral, começa a ocupação da região. A abertura da Avenida Santos Dumont passa a ligar o Centro à praia. Com a construção da Universidade de Fortaleza (Unifor), no início da década de 1970, e do Shopping Iguatemi, quase 10 anos depois, a ocupação do Cocó cresce aceleradamente, estimulando o polo de serviços, comércio e lazer. Com o fim da salina, em 1980, o mangue do Cocó começa a se regenerar, dando origem ao Parque Ecológico do Cocó, de 1.500 hectares, um dos maiores parques urbanos da América do Sul.

COCÓ:

PERFIL IMOBILIÁRIO

Dominado por empreendimentos residenciais verticais;
Tem hoje 25 produtos em comercialização (lançados a partir de 2012);
Os prédios possuem, em média: 20 pavimentos com unidades, 3 apartamentos por andar, 3 quartos e 131 m² de área privativa;
R$ 8.929/m² de preço médio;
R$ 1.169.699 é o preço médio de cada unidade.

FONTE: Setor de Inteligência da Lopes Immobilis 

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.