ESPECIAL PUBLICITÁRIO

Lazer compartilhado

Moma Condominium possui amplas áreas de lazer, que os moradores aproveitam da melhor forma possível, em eventos e na convivência diária. ( LC Moreira )
04:30 · 24.08.2018 / atualizado às 17:18

A diversidade de áreas de lazer e de áreas comuns é a tônica de muitos condomínios na capital cearense. E muitos condôminos aproveitam bem esses espaços, principalmente para se reunir e curtir o tempo juntos. “Se existe um exemplo de condôminos que se reúnem, que interagem entre si, é aqui”, descreve a bancária Lilian Amaral, uma das primeiras moradoras do Moma Condominium. Localizado no bairro Cocó, em Fortaleza, o empreendimento de três torres residenciais e 260 unidades foi entregue em julho de 2017 pela Magis Incorporações e está com 50% de ocupação. 

Com apenas um ano desde a inauguração, os moradores já têm a terça-feira como o Dia do Poker, a quinta-feira para o Dia do Futebol e sempre buscam se encontrar na semana e nos fins de semana para um churrasco, um momento com as crianças ou curtir a piscina juntos. “Praticamente todo fim de semana estamos juntos. Até na academia a gente contratou um personal trainer, que acaba trabalhando com todo mundo ao mesmo tempo. A gente consegue usufruir bem da área de lazer, formando um vínculo maior. Fazemos mais amigos, estreitamos os laços, nos tornamos uma família. Aqui, na realidade, a gente se chama a Família Moma”, conta Caroline Bezerra, administradora que mora no local desde fevereiro.

INTEGRAÇÃO
O síndico Lélio Trentini levanta a bandeira da convivência sadia e da integração entre os condôminos. “Logo que assumi como síndico, deixei muito claro que o que estivesse ao meu alcance eu iria fazer para reunir e integrar as pessoas, fazer com que aqueles espaços fossem utilizados da melhor forma possível”, relata.

Com isso, já foram feitas melhorias no salão infantil e foram adquiridos equipamentos para o salão gourmet e para a academia. Até “Picolé consciente” o Moma possui. Trata-se de um freezer de picolés com uma caixinha ao lado. “As pessoas pegam a quantidade de picolés que querem e põem o dinheiro referente ao consumo, criando uma cultura de responsabilidade”, afirma o síndico. Ele diz que a taxa de honestidade está em 100% nos últimos quatro meses e que parte do valor arrecadado será investido em uma aquisição para o salão gourmet.

“A gente tenta elaborar encontros dentro dos momentos festivos durante o ano, no Natal, no Carnaval, na Copa do Mundo. Para tudo isso a gente tenta fazer uma programação”, explica Caroline. Em reuniões mais recentes, houve até café da manhã para curtir os jogos do Mundial de futebol. “Incentivado pela administração do condomínio, foi criado um grupo chamado Mães e avós do Moma. A gente já fez festa junina só para as crianças, piquenique. Todo sábado a gente tem aula de dança, em que as mães se reúnem para dançar e os meninos ficam brincando. É muito bacana”, fala Lilian Amaral.

GASTRONOMIA
O deck é um dos espaços mais usados pelos condôminos, geralmente com churrasco, observa Caroline Bezerra. Ela também destaca o uso do salão gourmet. “A gente organiza o estilo da comida e se reúne nesse espaço gourmet. Cada um traz um ingrediente e a gente prepara a comida. Já fizemos uma noite de pizza e cada um trouxe os ingredientes que queria”, cita
a administradora.

As varandas também são exploradas pelos moradores “É uma varanda um dia, outra varanda em outro”, comenta a servidora pública Germana Sales. “Porque todas as varandas aqui são gourmets”, completa. Segundo Lélio Trentini, na quarta-feira já começam os encontros nas varandas. “No fim de semana sempre tem uma varanda a ser inaugurada. A gente chama de ‘vistoria de varanda nova’. É uma forma de estimular a integração entre as famílias”, enfatiza o síndico.

Para Caroline, ter as crianças brincando dentro do próprio prédio dá tranquilidade. “Você poder se divertir é importante. Você se sente bem em deixar seus filhos na sua própria casa. Uma olha o filho da outra, e a gente vai se
ajudando”, arremata.

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.