Coluna

Dicas de Concursos: Reconhecimento de terreno: provas - Parte 1

00:00 · 04.08.2018 / atualizado às 00:01

Apesar dos muitos adiamentos e suspensões de concursos, o concurseiro empenhado em sua preparação não se deve deixar desanimar.

Manter-se estudando é a única maneira de obter resultados mais satisfatórios, permanecer na fila e assegurar a aprovação.

Os concursos ainda são a melhor forma de selecionar funcionários públicos e, mesmo enfrentando desafios, terão uma longa vida.

Por conta disso, falarei um pouco sobre tipos de prova.

Cada banca organizadora possui seu estilo, mas é necessário saber o básico sobre a realização das provas. Nesse sentido existem três tipos: objetivas de múltipla escolha, dissertativas e orais.

Múltipla escolha

O que é?

Esse tipo de prova é muito utilizado nas primeiras fases dos concursos, o provão. Seleciona os candidatos que têm nível de conhecimento semelhante, tornando a disputa, na segunda fase, mais equilibrada. Na maioria dos casos, aborda os aspectos mais relevantes dos assuntos, sem se aprofundar muito.

Como fazer?

Primeiramente, dê uma "olhada geral" na prova, passe pelas perguntas sem se preocupar com as respostas. A seguir, comece a resolver as questões. Recomendo separar a prova por matéria e fazer primeiro as que você domina, aquelas que você estudou mais.

Este deve ser seu ponto de partida para a realização da prova.

Reserve um tempo razoável no final da sua prova para a marcação do cartão de respostas; isso evitará que você vá e venha e perca o ritmo. Para não se perder, utilize a folha de prova como régua.

Dissertativa

O que é?

Normalmente, são as provas específicas dos concursos. É a hora de o candidato mostrar seus conhecimentos pela redação. O texto, tendo ele um ou cinco parágrafos, deve ter início, desenvolvimento e conclusão, e sustentar o seu argumento.

Como fazer?

Para não se perder, anote os tópicos referentes a cada uma de suas respostas.

Organize-os logicamente. Faça um roteiro da resposta.

Controle bem o espaço que foi destinado para aquela questão.

Reduza o tamanho das letras e utilize siglas, se necessário; o que importa é respeitar o direcionamento.

William Douglas é juiz federal, professor universitário, palestrante e autor de mais de 40 obras

Últimos Artigos

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.