Coluna

Dicas de Concursos: costume de casa

Dicas de Concursos

empregos@diariodonordeste.com.br

00:00 · 09.12.2017

Enquanto moderador em diversas redes sociais e leitor frequente de mensagens de concurseiros, tenho notado alguns problemas no que diz respeito à leitura, redação e interpretação de texto de grande parte das pessoas.

Para isso, apontarei alguns comportamentos prejudiciais que vêm sendo cometidos por aí, não apenas nas redes sociais, mas também nos concursos. Vamos a eles:

Não ler o enunciado - Cada publicação, por menor ou maior que seja, é como o enunciado de uma prova ou uma questão levantada por seu chefe ou cliente na hora do fechamento daquele importante serviço. Muitas vezes são dadas indicações do que fazer/como participar/qual link seguir e, não raro, surgem comentários perguntando algo que já está escrito no corpo da publicação. Em publicações mais longas, as pessoas não buscam complementar a informação. É preciso atenção e disposição! Não desista de ler só porque é grande, pois o texto pode conter a chave e as orientações para um trabalho mais eficiente. Ler tudo é essencial, e muitos não estão tomando esse cuidado indispensável.

Erros de ortografia - Redigir de forma correta é importante para as redações, provas discursivas e para ser bem compreendido. Na vida virtual não é diferente. Muitas pessoas têm deslizado no português na hora de escrever só porque é "na internet". O risco é transferir o erro para uma prova/redação. Como melhorar? Primeiro, lendo muito; segundo, tanto quanto puder, estudando português.

Cuidado com a sua letra - Escrever bem é importante, mas tão importante quanto é ter a letra legível! Nas redes sociais também é possível ter uma "letra bonita". Um exemplo disso é que, em média, quatro comentários em cada publicação são marcados como Spam - pela própria rede social - por estarem com TUDO EM CAIXA ALTA.

Abreviações - Embora normais dentro da internet, elas são totalmente proibidas em redações e provas. Exemplos: "ñ", "tb", "q", "vc", "pq" e por aí vai. Como examinador em concursos, estou acostumado a ver esse tipo de vacilo. Portanto, se você não tomar muito cuidado com as abreviações, aos poucos elas serão incorporadas a sua escrita corriqueira - e daí para a prova é um pulo. Cuidado para não cometer esse deslize tão prejudicial na prova.

Sempre procuro apontar melhorias que os concurseiros podem obter com um pouco mais de atenção aos detalhes de sua preparação. Este é apenas mais um exemplo de que mudando a postura, mudam também os resultados. Como diziam nossas mães "costume de casa, vai à praça", então, tome cuidado com o "não vou fazer isso em uma prova" se essa modalidade de escrita já faz parte do seu cotidiano.

William Douglas é juiz federal, professor universitário, palestrante e autor de mais de 40 obras

Últimos Artigos

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.