recursos humanos

Carreira: os 5 piores arrependimentos

Aceitar um emprego por dinheiro é um dos arrependimentos de carreira mais comuns. As dicas são da Universia

00:00 · 25.11.2017

A vida profissional é repleta de escolhas. O problema é que em muitos casos as decisões que tomamos acabam se tornando arrependimentos no futuro.

De acordo com Daniel Gulati, do site Harvard Business Review, existe um padrão nos arrependimentos da carreira.

Para chegar a essa informação, Gulati realizou um estudo informal com profissionais de diversas idades e indústrias.

Confira quais foram os piores arrependimentos da carreira.

1. Não confiar nos próprios instintos

Diversos voluntários entrevistados comentaram o arrependimento em deixar passar oportunidades de carreira por não acreditarem em si mesmo. Embora você talvez seja um profissional iniciante, acredite nos seus instintos. Eles podem levar você para oportunidades de crescimento cada vez melhores.

2. Não usar o tempo acadêmico de maneira produtiva

Embora grande parte dos estudantes universitários participe de grupos e estágios, os entrevistados afirmaram arrependimento por não aproveitarem essas oportunidades e aplicá-las em um ótimo primeiro emprego. Por isso, talvez seja uma boa ideia investir em programas de estágio ao longo dos seus anos de curso universitário.

3. Aceitar emprego por dinheiro

Segundo Gulati, esse foi, de longe, o principal arrependimento dos profissionais. Aceitar um emprego por dinheiro ao invés de pensar na sua satisfação pessoal e profissional pode ser um erro. Melhor pensar duas vezes.

4. Demorar demais para desistir do trabalho

O segundo pior arrependimento dos entrevistados foi esperar demais para desistir de um emprego e perseguir os seus sonhos. Portanto, se você tem algo em mente, melhor não se iludir à espera do momento perfeito. A hora é agora.

5. Ter medo de iniciar o próprio negócio

Um estudo recente apontou que 70% dos trabalhadores gostariam que seu trabalho atual os ajudasse de alguma forma a iniciar o próprio negócio. Além disso, apenas 15% disseram que possuem o necessário para se aventurar por conta própria.

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.