Reportagem DOC

Veredas da integração: os caminhos que levam à água

00:00 · 18.11.2017 / atualizado às 00:44

A saga do vaqueiro Chico Bento, sua esposa Cordulina, e filhos, personangens do romance O Quinze, de Rachel de Queiroz, retrata a condição miserável da família forçada a migrar a pé de Quixadá para Fortaleza fugindo de uma das piores secas enfrentadas pelo Estado, em 1915. Pouco mais de um século depois, a estiagem castiga o cearense há seis anos, no entanto, mesmo com o sertão sendo o mesmo, o território também, as condições para a permanência e sobrevivência das pessoas mudaram. Os investimentos em estrutura hídrica existem, assim como o gerenciamento no intuito de garantir a distribuição, mas a grave escassez hídrica potencializa a disputa pelas fontes. O desafio maior é não deixar água para a população, campo e indústria. Entre as principais ações , os canais de integração - do Trabalhador , Eixão e, em obra, o Cinturão - estão entre os mais importantes e estratégicos  para transferência de água entre bacias. O assunto é foco do DOC do Diário do Nordeste.

LEIA AINDA:

> Recursos hídricos: sistema integrado de bacias; confira infográfico
> Capital: uma geração que desconhece seca 
> Águas do Velho Chico: tão perto e tão longe 
> Açude Castanhão: anseios, esperanças ou um milagre?
> Eixão das Águas, 256 km de querelas e uma água cada vez mais cara e distante

Reportagens

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.