Reportagem DOC

Tecnologia inclusiva, eficiência humana

00:00 · 17.06.2017 / atualizado às 02:15 por Cristina Pioner - Repórter

Controlar a cadeira de rodas motorizada por meio de expressões faciais é simplesmente incrível. Bem como o jogo de computador desenvolvido para divertir e, ao mesmo tempo, auxiliar no tratamento de crianças com paralisia cerebral. Tem ainda a tecnologia que leva arte aos cegos por meio da fotografia tátil, além das notícias atualizadas com a audiodescrição dos jornais. Por fim, o mouse adaptado para pessoas especiais, feito com sucata e de baixo custo.

LEIA MAIS

A esperança nas mãos

Mouse acessível a baixo custo

Guiadas por expressões faciais

Imagens reveladas pelo toque

Todos esses avanços na área da tecnologia têm um nome: pesquisa. São horas, dias, meses e anos de estudos, dedicação, incertezas, convicções e muita persistência para seguir em frente. A cada etapa superada, um novo desafio.

É nesta linha de trabalho que atua o pesquisador e pós-doutor em Engenharia Elétrica pela Unicamp Paulo Gurgel Pinheiro. O cearense desenvolveu o primeiro programa de computador do mundo que utiliza expressões faciais, a exemplo de um sorriso, para manipular a cadeira de rodas motorizada.

A tecnologia aliada à ludicidade resultou no "Rehab Fun", um jogo de computador utilizado para auxiliar no tratamento das crianças com paralisia cerebral. A novidade virou atração não apenas para os pequenos pacientes, mas também para os familiares e profissionais da área de saúde. O projeto é coordenado pelo professor-doutor Victor Hugo Costa de Albuquerque, do Programa de Pós-Graduação em Informática Aplicada da Universidade de Fortaleza (Unifor). Em breve, o jogo será disponibilizado gratuitamente.

Arte e tecnologia também andam juntas. Por meio do projeto Fotografia Tátil, do curso de Design da Universidade Federal do Ceará (UFC), imagens foram aplicadas em painéis de madeira para serem apreciadas por pessoas cegas.

Para obter o resultado, o coordenador do projeto, Roberto Vieira, recorreu a técnicas de corte e de gravação a laser, usinagem com máquinas fresadoras de controle numérico computadorizado e impressão 3D.

O desenvolvimento de um mouse adaptado para pessoas especiais e com baixo custo é outra proposta de inclusão digital. O trabalho está sendo desenvolvido por alunos do curso de Engenharia da Computação da Universidade Federal do Ceará (Campus Sobral), a partir de um modelo já existente.

Para pessoas cegas, o antigo braile continua sendo ferramenta indispensável ao acesso à informação escrita. No entanto, pesquisas mais recentes proporcionam a "leitura" de jornais utilizando programa instalado no computador. Exemplos que podem ser encontrados no Centro de Profissionalização Inclusiva para a Pessoa com Deficiência (Cepid), do Governo do Estado do Ceará, no qual é possível ter maior 'acesso à acessibilidade.'

Reportagens

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.