Reportagem Ornamentais

Retomada do comércio exterior de flores viabilizada

Remessas aéreas são fundamentais para a exportação de flores, que necessitam de conexão direta e rápida com os clientes
00:00 · 07.07.2018

A ligação direta da Capital para Amsterdã, capital holandesa, reabriu as portas para a exportação de flores e plantas ornamentais cearenses para a Europa. O Ceará já chegou a ser o maior exportador de rosas do País nos anos 2000, mas a redução de frequências para o velho continente comprometeu os custos das empresas locais do setor.

De acordo com Roberto Reijers, proprietário da tradicional Rosas Reijers, na Serra da Ibiapaba, a empresa encerrou em 2010 as exportações devido ao cancelamento dos voos diretos para Amsterdã. "Mesmo assim tentamos exportar de outras formas, mas sem sucesso", relembra o empresário.

LEIA AINDA:

> Transporte aéreo de cargas abre nova janela de oportunidades no Ceará
> Modal cearense registra expansão de 10% em 2018
> Confira gráfico com o raio X do transporte de carga
> Terminal logístico ainda opera abaixo da capacidade
> Fortaleza receberá novo cargueiro em novembro
> Falta de pessoal atrapalha liberação de cargas vivas
> Dificuldades reprimem a demanda
> Alta do dólar favorece exportadores
> Empresas se mobilizam com mais ligações internacionais

Para aproveitar as oportunidades proporcionadas pelo novo voo, a maior produtora de rosas do País dobrará sua produção diária, que é hoje de 130 mil botões de rosas e de 20 mil de outras espécies. Para isso, a empresa adquiriu mais 70 hectares na geografia de São Benedito, nos quais planeja agregar 100 pequenos agricultores da Serra da Ibiapaba para cultivar flores para a Reijers.

"A exportação de flores só é possível pelo modal aéreo, pois precisamos de uma conexão direta com clientes internacionais. Estamos iniciando negociações com possíveis clientes já bem adiantadas", aponta Reijers.

A previsão é que, até o mês de dezembro, quando a KLM estará operando pelo menos três frequências para a capital holandesa, a fazenda do grupo Rosas Reijers inicie a exportação de pelo menos 18 diferentes variedades de rosas de todas as cores para o País.

Controle de qualidade

O empresário explica que, para voltar ao mercado externo, a Reijers precisa, além de ampliar a produção, se adequar as legislações internacionais quanto a questão de controle de qualidade, "pois o mercado externo é muito exigente", destaca. Agora, ele tenta atrair para o Ceará melhoristas europeus (profissionais que desenvolvem pesquisas para melhorar a genética das plantas) que lhe fornecem sementes e mudas.

Reportagens

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.