Reportagem WEBDOC

Onde o vento faz a curva: comunidades isoladas no CE

O agricultor Antônio Afrânio sobe 650 metros da serra,levando a feira no jumento até a comunidade do Cafundó, no município de Choró
00:00 · 05.05.2018 / atualizado às 00:51 · 08.05.2018 por Melquíades Júnior (textos) | Kid Júnior (fotos)

Tão longe que quase ninguém visita - nem médico para consultar, só político em ano de eleição, mas perto para quem mora e precisa subir e descer todos os dias. Em algumas comunidades do Ceará, não passa moto nem carro, só pés e patas sobre as pedras. Enquanto a distância gera demora a serviços básicos, ou a graça de quem aponta ser ali o fim do mundo, onde o vento faz a curva, o quase isolamento dos territórios também é instrumento de sua singularidade e vistas a um outro horizonte, inalcançável para quem não está lá.

LEIA AINDA:

> Toda urgência precisa esperar onde tudo é muito longe
> Comunidades esquecidas, mas lembradas na eleição
> No suor das pedras do Cafundó, há um rio que nunca seca
> Longe da cidade, longe de tudo, mas perto da vida

Reportagens

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.