Reportagem Projeto da Unifor

Jovens voluntários em ação

00:00 · 26.08.2017 por Melquíades Júnior - Repórter

Nem sempre a conexão entre voluntário e a instituição solidária se dá de forma direta. A procura por doadores de tempo não pode depender da oferta, nem sempre tão espontânea. Foi pensando nisso que o Projeto Jovem Voluntário, da Universidade de Fortaleza (Unifor), passou a atrair estudantes universitários interessados em atuar em cinco instituições de Fortaleza: Associação Peter Pan, que acolhe crianças em tratamento contra o câncer, Hospital Infantil Albert Sabin, Lar Torres de Melo, que recebe idosos, o Núcleo de Atendimento Médico Integrado (Nami) da Unifor e Casa Sol Nascente, abrigo para adultos soropositivos e crianças em situação de risco.

O Jovem Voluntário nasceu há 15 anos da vontade de um grupo de pessoas em fazer o bem. Em todo semestre, é feita uma seleção de alunos interessados no voluntariado. "Eles já vêm sabendo que esse é um projeto para se doar, no sentido do amor, do afeto, uma forma de diminuir a dor e o sofrimento nos hospitais e abrigos", explica a coordenadora do projeto e professora do Curso de Enfermagem, Renata Carneiro.

Todos os anos são mais de 500 voluntários cadastrados na realização de 15 mil atendimentos. Na sede do projeto, no Campus da Universidade, há ainda um estoque de brinquedos que abastece a brincadeira nas instituições atendidas. Os "amarelinhos", como são reconhecidos pela cor do uniforme, dedicam-se em quatro horas semanais por seis meses, podendo continuar após esse período.

Longe de qualquer rodízio semestral na lista de voluntários, a estudante Amanda Pinto (na foto acima, de blusa amarela) sentiu-se transformada ao doar o tempo e, de tanto continuar no projeto, completa dois anos de voluntariado. "Me apaixonei pela ideia. Eu amo o que faço. Atuo na Associação Peter Pan e no Hospital Infantil Albert Sabin. No início, a gente chega meio perdido. Mas quando começa, interage com as crianças, tudo muda. Elas me dão um abraço que não tem preço. Quando comecei a ser voluntária, melhorei até naquilo que eu acho que posso ser e fazer em casa".

Para Amanda, ser voluntário é decisão única de quem quer. Mas muda a vida. "Por menor que seja o tempo que se tem, quem puder encaixar na correria do dia a dia, pode ser um sábado, um domingo à tarde. Se doar. Quando a gente começa não quer mais sair".

Projeto Jovem Voluntário - (85) 3477.3301

> Doadores de tempo
> A solidariedade mora ao lado
> Anjos de Adoção
> Servir não tem idade
> 'O outro também sou eu'
> Inventar brincadeira
> "Vivemos com o relógio na cabeça"

Reportagens

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.