Reportagem DOC

Jogadores Esquecidos

00:00 · 05.08.2017 por João Bandeira Neto - Editor assistente

Fama, reconhecimento e grandes contas bancárias. Nem sempre a carreira de grandes jogadores de futebol é assim. Ao longo de várias décadas, passaram pelo futebol cearense diversos craques, que ajudaram a escrever a memória do futebol local. Porém, sem o devido reconhecimento do público e dos clubes, eles acabaram suas carreiras no ostracismo.

> Eles fundaram o futebol cearense
 
> Resenha das antigas: água no chopp do craque
 
> Memória  viva e que resiste
 
> Décadas de raça e talento
 
> Resenha: esperteza que valeu o gol
 
Casos como o de Vitório, Xixico e Juracy ilustram bem o que era ser jogador de futebol nas décadas anteriores, onde os ídolos eram lembrados de forma tímida e em que os próprios clubes não demonstravam interesse em manter suas lembranças vivas. Craques que já escreveram capítulos importantes no percurso de títulos dos times, morreram sem ter seu devido valor reconhecido.

"Temos um problema grave que é não reconhecer e se interessar pelo nosso passado. A memória não é passada para as gerações que se seguem. Em épocas que haviam mais divulgações, os ídolos são mais lembrados, mas os mais antigos, pouco se sabe deles", destaca o pesquisador Pedro Mapurunga Azevedo.

Ao longo das matérias seguintes, o Diário do Nordeste busca resgatar alguns desses nomes que passaram pelo futebol local e que deixaram seus legados importantes, seja com títulos e conquistas, seja com boas e divertidas histórias, que somente quem viveu essa época poderá confirmar sua veracidade.

Em anos que as informações são limitadas e muitas vezes imprecisas, contar um pouco da vida desses atletas é um desafio para quem se interessa pelo assunto. "Temos metade da história do Ceará que é pouco falada. O time é que é hoje pelo que foi feito no passado e isso tem que ser preservado", enfatiza Pedro.

d

Popularidade em alta

Com o passar dos anos e com o esporte cada vez mais popular e querido pelas diferentes classes sociais, os clubes formaram elencos mais fortes. Nessas décadas, a artilharia dos campeonatos era motivo de rivalidade entre os mais diferentes clubes locais.

"Uma característica muito forte que ilustra bem esses antigos craques era a fidelidade do jogador a sua agremiação. Jogava-se por amor à camisa por anos a fio. Era comum ter jogadores que atuavam a carreira toda por um único clube", comenta Vicente Kléber, pesquisador. Nas diferentes décadas, nos mais alternativos times, uma coisa há em comum: o talento dos antigos jogadores nas mais diferentes posições. É hora de voltar no tempo.

> Assista conteúdo extra do DOC: Jogadores Esquecidos:

Reportagens

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.