Reportagem Dança

Instituto Katiana Pena: A mudança de quem não espera

Aos 34 anos, e duas décadas de bailarina profissional, Katiana Pena inspira o Bom Jardim (Fotos: Kid Júnior)
00:00 · 23.12.2017 / atualizado às 00:39

Os carros e motos que passam compõem o silêncio das vias, ruídos de quem chega ou só atravessa. Mas na rua Mirtes Cordeiro o silêncio tem jeito diferente. Há um ruído próprio que, para percebê-lo, vale procurar com os olhos: centenas de pernas, vindas de todas as entradas que a rua dá, sobem numa rampa e entram para a casa de Katiana, de onde vêm outros sons. Uma casa como as outras, mas tão diferente que recebeu outro nome ao seu nome: instituto. Lá, eles se formam mais de 500 vozes que gritam com tudo, menos a boca. De tanto se mexerem, por tanto não pararem, mudam o mundo. Não o que a gente conhece e acredita pertencer. Aquele mundo é outro. É o que a gente escolhe não ver.

katiana
Laje da casa de Katiana virou, há três anos, palco de ensaios e aulas;

Às centenas, crianças e jovens ocupam o espaço dia e noite, de janeiro a dezembro, com aulas de balé clássico e dança contemporânea. Não pagam nada, porque já pagam com a vida, da condição social que, vista no dicionário a palavra 'excluído', estão bem representados. Katiana Pena é a menina que dança e transformou sua vida assim: dançando. Tentando encontrar um jeito de ser nas ruas do bairro Bom Jardim, onde começou a trabalhar vendendo verdura aos 13 anos.

Bom Jardim é a metáfora que você quiser, mas quase nunca será a que seus moradores sentem. Katiana resolveu juntar quem tem esperanças e mesmo assim nunca esperou para fazer. Como se fosse Natal - mas era um dia qualquer, chamou uma moçada para sua casa aprender o que lhe ensinaram desde o tempo das verduras de porta em porta. "Fui criada dentro de um projeto social, a Edisca. Lá, fui muito bem acolhida. Pude enxergar que toda a expectativa enquanto criança, praticante de circo, vendendo verdura de salto alto, cheia de travessuras, me encontrei nesse lugar. Encontrei carinho, respeito e a sensação de que alguém se importa comigo, além da minha família", afirma.

3
Ex-aluno e agora professor do Instituto, Jefson Rodrigues, 28 anos, sustenta a família com a dança

E foi com a vontade de repassar o conhecimento que recebeu que Katiana abriu suas portas para outras casas, um pedaço do Bom Jardim. A pretexto de dar aulas de dança, com o respeito já de uma coreógrafa talentosa, ensina a viver.

O Instituto Katiana Pena atende a 550 crianças e jovens nos três turnos na casa reformada neste 2017 pelo programa Caldeirão do Huck. Além de dança, têm lanche e aulas de reforço por professoras voluntárias. Colocado no papel, o custo é alto. Porque não se pergunta como vai fazer para arcar com as despesas, Katiana simplesmente faz: com o grupo de bailarinos, pedem apoio do supermercado, de um produtor de bananas, outro de biscoitos, e a boa vontade dos solidários para realizar uma ceia que é o ano todo - e sem apoio governamental.

5
Crianças têm auxílio de leitura com professores voluntários e recebem lanches gratuitos

Quem nunca passou fome, pensa Katiana, não sabe o que representa o lanche que ofertam. "Entre um aluno talentoso e outro com situação social ainda mais prejudicada, priorizamos esse em vulnerabilidade. Porque esse é o nosso cenário. Tem que acolher quando eles vêm pra gente".

A pretexto de matar a fome de comida, as meninas e meninos do Instituto Katiana Pena fazem arte. O corpo é a voz do grupo de bailarinos que já se apresentou nos melhores palcos do Ceará e ganhou outros estados. Mas o palco mais inesquecível de todos é o chão do bairro, onde apresentaram neste mês o espetáculo "A rua é noiz". As dores e as alegrias das próprias famílias gritadas pelo corpo em movimento, num bairro em que o corpo que dança contrasta com o finda debaixo de um lençol branco da violência.

O futuro é outro para quem sabe seu destino, feito Jefson Rodrigues, aluno de Katiana e hoje professor dos mais jovens. Viu horizonte na dança, sustenta sozinho a família e ensina outros a viver.

Serviço:

Instituto Katiana Pena
Rua Mirtes Cordeiro 3147- A
Bom Jardim Fortaleza
(85) 3063.9778
Facebook: Instituto Katiana Pena

Leia ainda:

> Presentes que têm o poder de transformar vidas
> Ceia de leituras: projeto resgata o amor pelo livros
> Acordes Mágicos: sons para tocar a vida

Reportagens

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.