Reportagem Cargas

Granja-Camocim: importante ligação ferroportuária

Em Granja, há dois patrimônios ferroviários: a Estação, de 1881; e a Ponte sobre o Rio Coreaú, de 1879 (abaixo)
00:00 · 24.03.2018 por Maristela Crispim - Editora

Em junho de 1878, o Conselho de Estado, presidido por João Lins Vieira Cansanção de Sinimbu, autorizou o prolongamento da Estrada de Ferro de Baturité e a construção da Estrada de Ferro de Sobral. O movimentado Porto de Camocim foi a justificativa da escolha. A inauguração do primeiro trecho, entre Camocim e Granja, ocorreu em 15 de janeiro de 1881. A Estação de Camocim era o ponto inicial da Estrada de Ferro de Sobral e o Porto se desenvolveu mais ainda com a ferrovia.

d
Ponte sobre o Rio Coreaú, de 1879

Hamilton Pereira, 78, engenheiro aposentado da Rede Ferroviária Federal Sociedade Anônima (Rffsa), filho e neto de ferroviários, memorialista, coautor do livro "Estradas de Ferro do Ceará", lembra que a ideia era continuar a construir até chegar ao Piauí, por Crateús. "Camocim era um porto de grande atividade, que trazia produtos manufaturados para o Ceará. Em 1910, quando os ingleses assumiram, já estava perto de Ipu. O trem chegou em 1912 a Crateús.

Leia ainda: 

> Ceará sobre trilhos: transporte de cargas na Linha Norte
> Trânsito potencializou a economia na cidade de Sobral
> Ipu se uniu pela preservação da memória ferroviária
> Ainda há transporte de passageiros em três regiões
> Cargas deslizam entre portos e levam 699 mil toneladas

"A presença dos trens e sua interseção com os navios contribuiu para que Camocim se tornasse um pequeno centro cosmopolita como, de resto, em menor grau, acabou por ocorrer com as demais cidades alcançadas pelos trilhos da ferrovia sobralense", afirma Carlos Augusto Pereira dos Santos, historiador e professor do curso de História da Universidade do Vale do Acaraú (UVA), no livro "A Nostalgia dos Apitos: a Estrada de Ferro de Sobral 40 anos depois da partida do último trem (1977-2017)".

A linha da antiga Estrada de Ferro de Sobral chegou ao seu ponto máximo em Oiticica, na divisa com o Piauí, em 1932, dezoito anos antes de Sobral ser unida a Fortaleza pela Estrada de Ferro de Itapipoca (1950). Esses dois trechos passaram, então, a constituir a Linha Norte. Em 1957, passou a ser uma das subsidiárias da Rffsa. Os trens de passageiros percorreram o Ramal Camocim-Sobral até agosto de 1977. Em 1996 foi arrendada à Companhia Ferroviária do Nordeste (CFN).

a
A Estação Ferroviária de Camocim, onde hoje funciona a Secretaria de Educação, se encontra relativamente bem conservada. No momento, a Prefeitura pleiteia a cessão do prédio para realizar um trabalho de revitalização

 

Interesse comercial

O professor Carlos Augusto, autor também do livro "Entre o Porto e a Estação: cotidiano e cultura dos trabalhadores urbanos de Camocim (1920-1970)", explica que já havia uma concessão da Estrada de Ferro de Sobral desde os anos iniciais do século XIX. "No Brasil, tem um período, entre 1859 e 1889, em que o Estado Imperial demandou um maior número de obras de infraestrutura. Na época, já tinham sido construídos mais de 10 mil quilômetros de ferrovias. No caso do Ceará, já havia concessão desde o início do século XIX, mas só no fim do século, com a seca de 1877, foi que essa estrada foi construída", relata.

O professor lembra que essa Linha começou em 1877, de Camocim, porque a ideia era ligar o Porto aos sertões de Sobral e, posteriormente, ao Estado do Piauí. "O interessante era que, a princípio, era para socorrer os flagelados da seca, mas, a posteriori, teve a justificativa do escoamento da produção, principalmente do algodão. A passagem de Camocim a Sobral atendia mais os interesses dos comerciantes de Sobral, que já exploravam o Porto de Camocim. Essa ligação porto-ferrovia fez com toda a região se desenvolvesse e, ao longo dela, fossem surgindo outras cidades, a maioria no leito da Ferrovia", conta.

Camocim pertencia a Granja naquele momento inicial. A emancipação, em 1879, mostra a importância da ferrovia. "Não era só escoamento da produção, era um transporte de massa também, que favoreceu os contatos, os negócios, a comercialização, foi trazendo para as cidades também a ideia de modernidade, as cidades começaram a crescer urbanisticamente no entorno da Ferrovia. Da mesma forma, quando, em 1977, quase um século depois, esse ramal é desativado, começa um processo de decadência dessas cidades", resume.

arte
Outra dinâmica

O historiador relata que, antes dessa ligação, só ia a Camocim quem tinha negócio, pois era um fim de linha. "O Porto já trazia produtos antes, mas a Ferrovia dá uma outra dinâmica, encurta as distâncias, garante celeridade, movimento entre esses lugares, as relações comerciais tomam um outro rumo, a modernidade chega", avalia.

Ele acrescenta que a ferrovia transportava muito mais: as notícias, a moda, o consumo. "Tudo isso a ferrovia trazia porque ela comunicava esses lugares uns com os outros. Antes não tinha essa ligação, a não ser em estradas muito ruins, em lombos de animais. A dinâmica muda. Esses lugares passam a ter vida própria e basicamente no entorno das estações", destaca.

Segundo suas informações, além do algodão, todos os produtos de base agropecuária eram escoados, como a cera de carnaúba, a oiticica, o sal, o combustível. "Nos jornais antigos, é possível constatar a relação das empresas importadoras e exportadoras com uma grande variedade de produtos", ressalta.

Carlos Augusto lembra que a literatura é pródiga em mostrar como esses lugares eram interessantes, principalmente no fim de tarde, quando o trem passava. "As pessoas esperavam isso às vezes como a única diversão do lugar. Esse ir e vir de pessoas, essa chegada e partida de mercadorias. Tudo isso foi proporcionado pela Ferrovia", conta.

Um chiste histórico: as novidades chegavam pelo Porto de Camocim e passavam primeiro por Sobral. Só depois os fortalezenses tinham acesso a jornais, moda, produtos novos. "A ligação de Sobral com o mundo era via Camocim. Não precisava da Capital. Em algum momento, o Porto de Camocim era mais interessante que o Porto de Fortaleza, porque não tinha problema de atracação. O de Fortaleza, na Praia de Iracema, enfrentava um mar muito agitado".

Após o fim

O historiador destaca que, com a ligação Porto-Ferrovia, Camocim se desenvolveu. Sobral já era um polo antes. Posteriormente, Ipu e Crateús seguiram o mesmo caminho. "Com o fim da Ferrovia, todos, com exceção de Sobral, tiveram que buscar outras fontes. Camocim tinha a tradição pesqueira, a vocação turística. Isso, de alguma forma, foi a salvação. Mas outras cidades começaram a declinar".

Com isso, veio também o declínio do patrimônio: "Entre Sobral e Camocim, foram arrancados até os trilhos. Só no fim dos anos 1980 é que a Estação de Camocim foi tombada pelo do Estado. Mas, até então, vivia numa degradação total, estava para cair. Hoje lá funciona a Secretaria de Educação. Mas, no caminho de Camocim a Sobral, algumas estações estão em petição de miséria", lamenta.

Ele destaca que, no caso de Camocim, há um processo de tombamento de toda a área do Porto e da Estação Ferroviária, o chamado patrimônio ferroportuário. "No momento em que isso for deslanchado, toda aquela área e ruas próximas serão tombadas para termos um Centro Histórico".

O historiador considera a retirada do trem um verdadeiro crime para aquelas cidades. "Em toda essa região cerca de seis cidades usavam esse transporte. Naquele momento, também estava havendo uma retração da economia e servia mais como transporte de passageiros. Mas a Rffsa deixou o material rodante entrar em desuso, e isso ia tornando os trens em condições miseráveis de uso, sem falar que esse é um momento em que a indústria automobilística entra forte no País e os investimentos se voltam às rodovias e ao transporte rodoviário", diz.

Ele acrescenta que, adicionalmente, em 1950, houve a ligação de Sobral a Fortaleza, via Itapipoca, e esse ramal Sobral-Camocim passou a definhar mais ainda porque não precisava mais ir ao Porto de Camocim para escoar os produtos. De Sobral ia para Fortaleza.

Carlos Augusto conta que, assim como Camocim era distrito de Granja, depois de Granja só tinha Sobral. As outras cidades foram se emancipando com o desenvolvimento proporcionado pela Ferrovia. Massapê se emancipou de Santana do Acaraú. Senador Sá se emancipou de Massapê. Uruoca se emancipou de Granja e Martinópole também. Eles tinham certa atividade, principalmente agropecuária. A partir dali, iam se criando comerciantes, políticos e isso favoreceu que esses povoados fossem sendo emancipados das suas sedes.

"Socialmente, também se perdeu. O trem exerce fascínio logo na chegada. Diferente do ônibus, chega apitando, acorda a cidade. Antes, o tempo era medido pela chegada e saída do trem. Se perdeu um pouco dessa nostalgia dos apitos, como eu chamo no livro. É uma questão política. Privilegiaram a indústria automotiva, enquanto, na Europa, o trem é um dos principais meios de transportes", diz.

Alexandre Maia, procurador geral do Município de Camocim, afirma que o prédio da Estação Ferroviária hoje está com a estrutura preservada. "Segundo ele, o Município pleiteou, junto à Secretaria de Patrimônio da União (SPU), a cessão do imóvel para fazer a revitalização.

Granja

Em Granja, há dois importantes patrimônios ferroviários: a Estação, de 1881; e a Ponte sobre o Rio Coreaú, de 1879. Maria Ximenes, secretaria Municipal de Cultura, conta que a Estação estava em um estado lastimável e que foi feito um projeto e iniciada a restauração. "O Iphan fez algumas exigências técnicas, esse processo já está resolvido. Agora, o serviço será retomado e há uma proposta de colocar lá uma central de artesanato, incluindo oficina e venda, e também um café com espaço para exposições, saraus, shows", revela.

Memória

a
Na Oficina do Urubu, de 1930, funcionou, entre 1982 e 1997, o Centro de Preservação da História Ferroviária do Ceará, instalado pelo museólogo português João Alfredo Sá Pessoa, professor aposentado do Curso de Arquitetura da Universidade Federal do Ceará (UFC). Ele conta que o acervo foi transferido para a Estação João Felipe, no Centro, sob os cuidados da Associação dos Engenheiros da Rffsa. As instalações da Oficina, localizadas na Avenida Francisco Sá, no bairro Álvaro Weyne, sediam hoje a Transnordestina Logística (TSL).

arte

Reportagens

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.