Reportagem Dossiê esgoto

Do tempo da roma antiga

Esgoto bruto da comunidade Riacho Doce confunde-se com fluente tratado na estação do bairro Conjunto José Walter. Foto: Fernanda Siebra
00:00 · 24.06.2017

Tem milhares de ano a chuva é para muitas culturas e civilizações uma bênção dos deuses. Mas água, quando cai em demasia e açuda as ruas, arrasta o que tem pela frente como um redemoinho molhado, conecta o "sujo" ao "limpo". Traz doenças, e o que era bênção torna-se castigo.

É preciso encontrar um meio de fazer essa água escorrer. Passar ao largo, ou ao fundo, da rua. Está feito: milhares de tijolos, grandes e resistentes, formando galerias 50 centímetros abaixo do nível da rua. Levando a água excedente e, sendo possível a carona, manilhas se conectam e levam os resíduos domésticos para um destino incerto, mas decerto longe.

LEIA MAIS

Desuso e morte da água limpa

Água limpa "morre" na saída da estação

Infográfico: cobertura baixa, cara e de pouca eficiência 

A poluição passa pela desigualdade social

Arboviroses no caminho do saneamento

Esse verdadeiro equipamento de drenagem foi encontrado em escavações no ano de 1922 que levaram à descoberta da civilização Harapa, de 3.500 anos antes de Cristo. Em seu auge, ela contou cinco milhões de habitantes na região onde hoje estão Índia, Paquistão e Afeganistão.

A idade da lama

Saltando 55 séculos, quando chove no Riacho Doce, uma vila dentro do Bairro Mondubim, em Fortaleza, Carlito, 13 anos, senta na janela para ver a lama passar até 70 centímetros do chão. O odor, nem se fala, pois não mede altura e invade portas e narinas. Nesse dia, não vai à escola para não se dar ao trabalho de voltar como quem sai da fossa - muito embora a comparação, não há nenhuma fossa séptica na localidade.

-João Carlos, cadê a chinela?

É a mãe gritando da cozinha, mas não de longe, na casa de dois vãos e um vaso sanitário. Na vila cercada de sujeira por todos os lados, andar calçado é cuidado. De tanto ver o esgoto subir na rua, as portas já não são portas, mas janelas um pouco mais verticalizadas. O jeito de amenizar inundação é cimentar a entrada. Nessas casas não se entra. Salta para dentro.

No dia em que fomos à comunidade já não chovia havia semanas. De acordo com a Funceme, o maio de 2017 derramou água abaixo da média para o período. O esgoto, portanto, não subia ao chão, correndo nervoso até desembocar numa pequena lagoa chamada Riacho Doce. É também ali, exatamente ali, que um duto da Cagece transporta, por incansáveis 24 horas por dia, água da Estação de Tratamento de Esgoto (ETE) Pequeno Mondubim, após receber o esgoto bruto do Conjunto Residencial Marcos Freire, a 50 metros da casa de Carlito.

tab

A água tratada para ser devolvida "menos poluída" ao meio ambiente encontra-se com os resíduos domésticos da vila antes mesmo de alcançar o lago 'riacho doce'. Quando elas se confundem, formam uma mesma lama escura, ora verde, ora marrom. Sempre mal cheirosa.

- Ei, 'mah', vão filmar a bocada?

Um amigo de Carlito, apressado e também aparentando seus 13 anos, questiona a ele nossa equipe chegar de repente, se não teve crime, se não tem um corpo no chão, nem ao menos a Polícia está ali. Percebemos se tratar de um pequeno reduto do tráfico, e o menino estava para vigiar a mando de alguém, e assim o fez até a nossa saída. Mas antes disso acontecer, a dona de casa Maria Sueli aparece tão de repente quanto a gente:

-'Diga lá que não tem quem aguente, à noite, a catinga. Tem mais mosquito que estrelas no Céu'.

Para limpar e purificar

As primeiras noções de saneamento, de mais de cinco mil anos, tiveram suas maiores evoluções no período medieval. Seja por religiosidade (estarem limpos diante dos deuses) ou mesmo de higiene, o fato é que as civilizações greco-romanas levaram a preocupação sanitária ao banheiro. Água da chuva é uma coisa, a dos resíduos domésticos é outra, e assim a concepção alcança um grande salto no pós-revolução industrial na Europa, já século XIX. Se separa e trata o esgoto ou todos vão morrer de malária, para citar uma doença.

No 2017 depois de Cristo, metade do Brasil não tem destino certo para as fezes, e a metade que tem sofre com a baixa eficiência, salvo raras exceções. Se o saneamento é básico, por que é tão recente?

O Ceará não é diferente em contrastes. Menos de 40% tem cobertura de esgoto. Em Fortaleza, esse índice alcança 57% de coleta, toda ela sendo tratada em estações antes de devolvidas ao meio. Mesmo que esse meio seja um outro esgoto, como o do Riacho Doce.

tab

Reportagens

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.