Reportagem DOC

Com registros e escola

Foto: Kid Jr.
00:00 · 11.02.2017

Aos 34 anos, mãe de 10 filhos, 8 vivos, Edna Soares da Silva sofreu na pele as consequências por não possuir o registro civil de nascimento dos três mais novos, com idades de 9, 7 e 6 anos.

Nenhum deles havia frequentado a escola, embora a lei permita que as crianças sejam matriculadas mesmo sem documentos. Por não conhecer seus direitos, a recicladora já havia perdido as esperanças de tornar os filhos cidadãos perante a legislação vigente no Brasil.

LEIA MAIS

.Em nome dos pais

.Invisíveis diante da lei

.Legalmente vitoriosa

.Anônimo de pai e mãe

.Presença importante, mesmo que tardia

Segundo Edna, a única comprovação da existência dos filhos era a Declaração de Nascido Vivo (DNV), emitida pela maternidade onde deu à luz, que acabou se perdendo por conta das chuvas que inundaram a casa da família.

Preocupada, a mãe buscou ajuda no Conselho Tutelar, que a encaminhou para o hospital onde as crianças nasceram. Mas nada avançava para resolver a situação.

“Eu passei muito tempo tentando, ia de um lado para o outro, gastava dinheiro com passagem, e não conseguia resolver o problema”, recorda.

Com a ajuda da ONG Visão Mundial, finalmente Edna conseguiu obter a documentação de Vitória, 9 anos, Adamos, 7, e Yanna, 6 anos.

As aulas já começaram, e eles finalmente ingressaram na escola da rede pública, no bairro Jangurussu, onde mora a família. Para Edna, ter a documentação dos filhos em mãos e vê-los estudando como as outras crianças é uma alegria muito grande.

Reportagens

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.