Movimento

'Viva o Centro' comemora oito anos

A Cidade da Criança, no Centro de Fortaleza, recebeu programação gratuita; o espaço foi ocupado pelas famílias

01:00 · 10.09.2018 por Nícolas Paulino - Repórter
Image-0-Artigo-2450929-1
O Movimento mostra que é possível viver momentos de descontração no local ( FOTO: NATINHO RODRIGUES )

O movimento Viva o Centro Fortaleza comemorou seu oitavo ano de existência com programação especial na Cidade da Criança, no Centro da Capital, na tarde desse domingo (9). O local foi palco para jogos e brincadeiras, oficina para aprender a pedalar, exposição de fotografias e artes plásticas, bazar, feirinha de gastronomia e de cordel e xilogravura, meditação e shows musicais.

Segundo a articuladora do Viva o Centro Fortaleza, Cícera Probo, a principal ideia é levar diferentes públicos aos espaços. "A gente pensa na criança, com as atividades lúdicas, mas também pensa nos pais. Nosso objetivo é erradicar a ideia de que, se você for ao Centro, sobretudo no fim de semana, vai ser assaltado, ou algo assim", destaca.

Formiguinha

"Quando a gente começou, há oito anos, era um trabalho de formiguinha. Com o passar do tempo, conseguimos inclusive despertar o Poder Público. Hoje, uma das nossas maiores conquistas aqui na Cidade da Criança é um Posto da Guarda Municipal dentro do próprio local", complementa Cícera Probo.

Cícera, que já trabalhou vendendo bijuterias, conheceu diversos pequenos empreendedores ao longo do tempo. Dessa forma, foi unindo, aos poucos, os amigos nos eventos do Movimento, que são realizados a cada bimestre. "Era difícil conquistar a confiança não só do público, mas dos vendedores. Eles achavam que não seria proveitoso levar os produtos para as praças, que não iriam ganhar nada. Mas isso foi mudando".

Deu certo. Famílias, namorados, amigos, centenas de pessoas deram uma chance ao momento natural de ocupação. "É bom demais para as crianças e para nós também. Tem que acabar isso de que no Centro não tem coisas bonitas ou atividades legais para se fazer. Tem sim. Mas o problema é que a própria comunidade precisa ocupar espaços como este. Se depender da Prefeitura ou do Governo, isso não ocorre", avalia a gerente administrativa Stephania Monteiro, ao ver o filho João Gabriel arriscar a sorte no tradicional jogo de bilas. Fabiana Goes, mãe de Louise, de quase 2 anos, foi convidada pelo marido a conhecer o evento e trocou, pela primeira vez, o shopping rotineiro de domingo pelo verde do local.

"É importante demais trazer as crianças para movimentos como este, a fim deque elas reaprendam o poder do lúdico. Não gosto da ideia de crianças cada vez mais reféns de tablets e celulares". (Colaborou João Duarte)

Fique por dentro

Locais antes inseguros ganharam vida

O Movimento ganhou forma em 2010, com a proposta de promover passeios culturais, utilizando a bicicleta, pelo Centro da Capital. Em oito anos, o Viva o Centro se consolidou com programação artística em equipamentos culturais a partir da vontade conjunta de produtores culturais de promover melhor ocupação dos espaços públicos tradicionais da cidade.

 

A luta fez com que locais como a Cidade da Criança e o Passeio Público ganhassem vida novamente. Antes estereotipados pela sensação de insegurança, os equipamentos atualmente recebem cores e sons dos mais novos aos já conhecedores de Fortaleza, movidos ao mesmo desejo: partilhar sorrisos ao ar livre, onde o banco é de todos.

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.