dicas e troca de informações

Unifor realiza encontro de aleitamento materno

O ato fez parte do 1º Simpósio Brasileiro de Aleitamento Materno e do 38º Congresso Brasileiro de Pediatria

O evento reuniu mães, pais e profissionais de saúde para uma roda de aleitamento e troca de orientações e dicas sobre o assunto ( Fotos: JL Rosa )
01:00 · 13.10.2017
Muitas famílias participaram ontem do 1º Encontro de Mães Amamentando o Brasil Hoje e Amanhã, realizado no Campus da Universidade de Fortaleza (Unifor)

Não só os pequenos tiveram programação especial neste Dia da Criança em Fortaleza. Mães de primeira viagem, que acabam de se deparar com a experiência da amamentação, participaram ontem (12) do 1º Encontro de Mães Amamentando o Brasil Hoje e Amanhã, realizado no Campus da Universidade de Fortaleza (Unifor). Promovido pela Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP), em parceria com a Instituição de ensino cearense e com a Unimed Fortaleza, o evento reuniu mães, pais e profissionais de saúde para uma roda de aleitamento e troca de orientações e dicas sobre o assunto.

Nami

O ato fez parte do 1º Simpósio Brasileiro de Aleitamento Materno e do 38º Congresso Brasileiro de Pediatria, sediados na Capital. A Unifor, que disponibiliza um posto de coleta de leite humano no Núcleo de Aplicação Médica Integrada (Nami), colaborou com o encontro por meio dos cursos de Nutrição e Enfermagem. Professores e alunos informaram às mães presentes sobre a importância do aleitamento materno nos meses iniciais de vida de cada criança.

Segundo a pediatra Anamaria Cavalcante, presidente do Congresso e coordenadora da SBP no Nordeste, a amamentação é o primeiro cuidado das mães para com seus filhos na infância e deve ser realizada ainda na sala de parto.

"Aquele leite, aquela sucção no primeiro minuto de vida é definidor. Por isso, a Sociedade, que tem hoje como lema "O pediatra cuidando do futuro do Brasil", não podia deixar de enfatizar esse momento e dar o exemplo com esse ato", afirmou.

Apoio

Palestrante do evento, o médico Moisés Chencinsk, presidente do Departamento Científico de Aleitamento Materno da Sociedade de Pediatria de São Paulo, destacou que, embora seja algo natural, o aleitamento nem sempre é fácil para as mães, não só por dificuldades fisiológicas, mas também por conta de preconceitos e tabus sobre a amamentação em público.

"Tem a questão da família, que às vezes não dá a ajuda necessária, e da sociedade, que também não dá apoio que a mãe precisa. Cada vez que ela vai amamentar em público, existem pessoas que olham feio. Na realidade, queremos que o bebê tenha os mesmos direitos que nós temos, de comer onde quiser sem que ninguém se preocupe sobre o que ele está fazendo. Por isso, é importante para nós informar, acolher, apoiar e promover o aleitamento", disse o pediatra Moisés Chencinsk.

Para a administradora Paula Lima, que teve a primeira filha, Vida, há cerca de um mês, amamentar a pequena sempre foi um desejo. Logo que a filha nasceu, visitou o banco de leite do hospital para obter orientações sobre como fazer o aleitamento.

Rede

Hoje, ela ajuda outras mães que buscam ter a mesma experiência. "Nós trocamos informações e dicas, e também damos força para as novas mães. É muito importante ter essa rede de apoio para ajudarmos umas às outras", afirmou Paula.

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.