Projeto Malha D'água

Sertão Central receberá 1º sistema de adutoras

Ao todo, nove cidades receberão primeiro sistema, a partir do investimento de US$ 140 milhões

O primeiro equipamento partirá do Açude Arrojado Lisboa (Banabuiú), atendendo a nove localidades do Sertão Central do Estado ( FOTO: JOSÉ AVELINO NETO )
01:00 · 10.05.2018 por Renato Bezerra - Repórter

O governo estadual definiu o sertão central cearense como a primeira região a receber o sistema de adutoras previsto no Projeto Malha D' água, iniciativa a longo prazo que deve construir mais de 4 mil quilômetros de adutoras no Estado. Nessa etapa inicial, serão investidos US$ 140 milhões, de um total de US$ 200 milhões financiados pelo Banco Internacional para Reconstrução e Desenvolvimento (Bird), destinados as obras de ampliação da infraestrutura hídrica e de saneamento. O Estado já foi autorizado a formalizar o empréstimo, conforme publicação do Diário Oficial do Estado da última terça-feira (8).

Leia ainda:

> Redução de 59% nas ocorrências
> 'Cinturão das Águas' terá R$14 milhões
 
De acordo com o titular da Secretaria de Recursos Hídricos (SRH), Francisco Teixeira, o projeto visa a redução da vulnerabilidade hídrica em municípios do interior do Estado, nas áreas urbanas e rurais. O primeiro equipamento partirá do Açude Banabuiú, atendendo a nove localidades: Banabuiú, Solonópole, Jaguaretama, Milhã, Deputado Irapuan Pinheiro, Senador Pompeu, Piquet Carneiro, Mombaça e Pedra Branca.

arte
"São as cidades que mais têm sofrido com a seca. Mesmo com todos os investimentos feitos no passado, percebemos uma vulnerabilidade nessa região, que só não entrou em colapso por causa da intervenção do Governo do Estado", afirma.

A partir da autorização do financiamento, explica Teixeira, a Pasta inicia a negociação junto ao Bird para o empréstimo, ao mesmo tempo em que devem ser iniciados os estudos de viabilidade técnica e ambiental para viabilização da obra. Um trâmite, que segundo estima o secretário, deve durar cerca de um ano e meio para a conclusão.

Em sua totalidade, o Projeto Malha D' água prevê a construção de 4.306 quilômetros de adutoras a partir dos 34 reservatórios mais resistentes à seca. O sistema terá 305 estações de bombeamento e atenderá 6,2 milhões de pessoas em 178 municípios. A vazão estimada é de 16,5 m³ de água por segundo. A partir das estações, a Companhia de Água e Esgoto do Ceará (Cagece) deve distribuir a água tratada dentro do padrão de potabilidade para o consumo as localidades cearenses.

A expectativa é que todas as bacias hidrográficas do Ceará estejam interligadas, garantindo assim o abastecimento cada vez mais próximo das comunidades. A estratégia visa, ainda, otimizar o uso dos carros-pipa. "Detectamos que toda a nossa infraestrutura hídrica vem de açudes médios e pequenos, açudes com adutoras para atender a sede municipal e distrital, e numa seca de seis anos essas reservas não suportaram. Então concluimos que precisávamos de um sistema de adutoras mais robusto, partindo de reservatórios maiores", pontua Teixeira.

Chuvas

Enquanto isso, a esperança de chuva ainda paira sobre os cearenses. De acordo com a Fundação Cearense de Meteorologia (Funceme), 28 municípios registraram chuvas entre as 7h da última terça-feira (7) e às 7h de ontem, mas com 55 milímetros, Fortaleza acumulou o maior volume de chuva do Estado. Segundo o órgão, as precipitações na Capital e na faixa litorânea ocorreram pela proximidade da Zona de Convergência Intertropical (ZCIT), principal fenômeno indutor de chuvas no Ceará.

Por estar mais próximo da Costa, segundo análise do supervisor da Unidade de Tempo e Clima da Funceme, Raul Fritz, a ZCIT deve continuar contribuindo para a formação de chuvas nos próximos três dias, principalmente no litoral e na serra de Baturité. Para esta quinta-feira (10), o órgão meteorológico prevê eventos de chuva em todas as macro-regiões do Estado.

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.