Enem

Provas buscaram diálogo com temáticas contemporâneas

Especialistas dizem que assuntos abordados permitiram reflexão sobre inclusão e direitos civis

00:00 · 26.10.2015 por Ranniery Melo - Repórter
Image-0-Artigo-1955971-1
Mesmo no segundo dia de prova, alguns candidatos se atrasaram para o exame ( FOTO: JL ROSA )

No segundo dia do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), realizado ontem, um dos principais comentários entre os participantes foi sobre a mudança na abordagem das questões. Muitos dos estudantes afirmaram que o teste exigiu um nível maior de pensamento crítico, obrigando mais raciocínio sobre os textos-base das perguntas.

"A prova que achei mais fácil foi a de Química. As questões de Ciências Humanas pediam mais atenção, porque era preciso pensar mais para entender o que era pedido", disse a estudante Aline Carvalho, antes de entrar para realizar as provas, ontem, no Campus do Itaperi da Universidade Estadual do Ceará (Uece).

No último sábado, o teste de Ciências Humanas e suas Tecnologias contou com referências a pensadores de vanguarda, como Simone de Beauvoir, Paulo Freire, Santo Tomás de Aquino e Sérgio Buarque de Holanda.

Já o tema da Redação deste ano, que pediu que os candidatos dissertassem sobre a persistência da violência contra a mulher na sociedade brasileira, também surpreendeu muitos dos estudantes. Antes da prova, na fila para a entrada, os alunos apostavam em temas envolvendo direitos trabalhistas, questões ambientais ou das migrações urbanas e refugiados. "Acho que pode cair algo sobre a seca no Brasil e as mudanças climáticas, ou algo a respeito dos direitos dos trabalhadores atualmente", opinou a auxiliar administrativa Larissa Francisco, que participava do Enem pela quarta vez.

Para o professor do Colégio e do Sistema Ari de Sá, Carlos David, a prova de Ciências Humanas seguiu uma linha já adotada, com questões relacionadas à sociedade, cultura e poder em conexão com a contemporaneidade. "É uma preocupação que o Enem tem tido, em traçar uma relação entre macrotemas históricos com a interpretação da realidade presente. Foram 15 questões de História, 15 de Geografia e 15 de Filosofia e Sociologia, trabalhando as periodizações de forma racional, conseguindo dialogar o antigo e o moderno com o que é atual".

Na opinião do professor, o nível da avaliação não passou por grandes alterações, mas exigiu um esforço um pouco maior. "É perceptível uma expressão mais forte que uma mera interpretação do texto. As perguntas trouxeram uma combinação entre o conteúdo e a visão do mundo, no que concerne à interpretação da era presente", expõe.

Já no que diz respeito ao tema da Redação, o professor ressalta que, desde 2009, o Enem segue uma tendência em alusão a movimentos e manifestações que buscam a universalidade da inclusão e dos direitos civis. "Houve uma referência temática. Na prova de Ciências Humanas, o feminismo foi tratado em questão citando Simone de Beauvoir. Observamos um natural desejo de levar os alunos a uma reflexão sobre direitos civis, direitos sociais e direitos políticos. Isso tem sido materializado na condição da mulher, do negro, do índio", coloca Carlos David.

Atraso

Mesmo no segundo dia de provas, alguns participantes do Enem perderam a hora de fechamento dos portões e acabaram impossibilitados de prestar o certame. Próximo ao meio-dia, horário marcado para o fim da entrada dos estudantes, muitos ainda corriam para conseguir acessar o local de prova.

No Campus do Itaperi da Universidade Estadual do Ceará (Uece), quem não conseguiu o acesso, ainda tentou argumentar com os responsáveis pela entrada, na tentativa de fazer a prova. O segurança Francisco Erivaldo prestava o exame pela segunda vez e culpou o trânsito pelos cinco minutos de atraso. "Ontem eu vim nesse mesmo horário e consegui fazer a prova. Achei que ia dar tempo de novo, até pedi carona para o meu sogro e vim de carro. Mas agora vou ter que esperar até o ano que vem".

Pelo menos outros dois candidatos chegaram no local com antecedência ao fechamento dos portões, mas não levaram documento de identidade, o que é exigido para fazer o teste. Ambos ainda pediram para familiares trazerem o documento, mas acabaram não conseguindo recuperá-lo a tempo. E no fim do dia, em diversas avenidas da cidade, foi registrado fluxo lento de veículos, devido à saída de candidatos. 

Enquete

O que achou dos exames?

“Gostei muito da prova de Ciências Humanas, mas a de Ciências da Natureza estava muito difícil. Já estou na faculdade e estou fazendo o Enem para tentar financiamento estudantil”

Gabriela Martins
Estudante

“Achei as provas bem difíceis. Tive dificuldades em Química e o conteúdo do segundo dia também está difícil. Esse ano houve menos questões que se resolviam só lendo o texto, sem pensar muito”

Gilvan Almeida
Estudante

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.